Le Pen propõe imposto sobre os contratos de trabalho com estrangeiros

Marine Le Pen, candidata da extrema-direita, sugere que as receitas do imposto sejam usadas para indemnizar desempregados

A candidata da extrema-direita às presidenciais francesas, Marine Le Pen, defendeu a criação de um imposto para os contratos de trabalho com estrangeiros, numa entrevista publicada hoje pelo jornal Le Monde.

A receita gerada por esse imposto pode ser utilizada para indemnizar os desempregados, explicou a líder do partido de extrema-direita Frente Nacional.

A proposta insere-se no que Le Pen designa como "prioridade nacional" e quer aplicar se for eleita nas presidenciais de abril e maio.

No mesmo sentido, Le Pen disse ao diário que pretende taxar as importações de bens e serviços com uma "contribuição social" de 3%, imposto com o qual prevê recolher "no mínimo 15.000 milhões de euros" e que, assegurou, não terá impacto significativo no poder de aquisição dos consumidores.

"A base de tudo isto é o patriotismo, ou seja, cada medida e cada euro gasto têm como vocação defender o interesse dos franceses", disse a candidata, que as sondagens dão como certa na segunda volta.

Le Pen defendeu "um protecionismo inteligente", de "luta contra as deslocalizações selvagens", e congratulou-se com a declaração do novo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no discurso de tomada de posse, da "morte do ultraliberalismo".

"Trump foi eleito por promessas que está a aplicar. Esse respeito pelos eleitores devia ser um modelo para todos os políticos", disse a líder da extrema-direita, frisando contudo não ter como referência nem estar "fascinada" pelos Estados Unidos, como não o está pela Alemanha ou pela Rússia.

Sobre o seu programa eleitoral, que vai apresentar este fim de semana em Lyon (sudeste), Le Pen repetiu que quer tirar França da União Europeia (UE).

"Irei imediatamente a Bruxelas para negociar o regresso das quatro soberanias: monetária, legislativa, orçamental e territorial. E seis meses depois das eleições, organizarei um referendo sobre a saída da UE", disse.

A candidata manifestou-se convicta de que essa sua medida vai desencadear "um movimento" a que se vão juntar vários países para "obter a anulação de regras e tratados que prejudicam a sua segurança ou a sua economia".

Investigada por alegado uso indevido de 340.000 euros dos fundos que recebeu como eurodeputada, Le Pen assegurou que não se retira da corrida presidencial se vier a ser formalmente acusada.

"Um juiz decidir quem é e quem não é candidato é o fim da democracia", disse.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.