Le Pen propõe imposto sobre os contratos de trabalho com estrangeiros

Marine Le Pen, candidata da extrema-direita, sugere que as receitas do imposto sejam usadas para indemnizar desempregados

A candidata da extrema-direita às presidenciais francesas, Marine Le Pen, defendeu a criação de um imposto para os contratos de trabalho com estrangeiros, numa entrevista publicada hoje pelo jornal Le Monde.

A receita gerada por esse imposto pode ser utilizada para indemnizar os desempregados, explicou a líder do partido de extrema-direita Frente Nacional.

A proposta insere-se no que Le Pen designa como "prioridade nacional" e quer aplicar se for eleita nas presidenciais de abril e maio.

No mesmo sentido, Le Pen disse ao diário que pretende taxar as importações de bens e serviços com uma "contribuição social" de 3%, imposto com o qual prevê recolher "no mínimo 15.000 milhões de euros" e que, assegurou, não terá impacto significativo no poder de aquisição dos consumidores.

"A base de tudo isto é o patriotismo, ou seja, cada medida e cada euro gasto têm como vocação defender o interesse dos franceses", disse a candidata, que as sondagens dão como certa na segunda volta.

Le Pen defendeu "um protecionismo inteligente", de "luta contra as deslocalizações selvagens", e congratulou-se com a declaração do novo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no discurso de tomada de posse, da "morte do ultraliberalismo".

"Trump foi eleito por promessas que está a aplicar. Esse respeito pelos eleitores devia ser um modelo para todos os políticos", disse a líder da extrema-direita, frisando contudo não ter como referência nem estar "fascinada" pelos Estados Unidos, como não o está pela Alemanha ou pela Rússia.

Sobre o seu programa eleitoral, que vai apresentar este fim de semana em Lyon (sudeste), Le Pen repetiu que quer tirar França da União Europeia (UE).

"Irei imediatamente a Bruxelas para negociar o regresso das quatro soberanias: monetária, legislativa, orçamental e territorial. E seis meses depois das eleições, organizarei um referendo sobre a saída da UE", disse.

A candidata manifestou-se convicta de que essa sua medida vai desencadear "um movimento" a que se vão juntar vários países para "obter a anulação de regras e tratados que prejudicam a sua segurança ou a sua economia".

Investigada por alegado uso indevido de 340.000 euros dos fundos que recebeu como eurodeputada, Le Pen assegurou que não se retira da corrida presidencial se vier a ser formalmente acusada.

"Um juiz decidir quem é e quem não é candidato é o fim da democracia", disse.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.