Juncker vê Merkel em altos cargos na União Europeia, mas critica Macron

Presidente da Comissão elogia a chanceler alemã e mostra-se crítico do presidente francês Emmanuel Macron, em entrevista a um jornal alemão a um mês das eleições europeias.

Jean-Claude Juncker considera inimaginável que a chanceler Angela Merkel possa desaparecer da cena política europeia após deixar a liderança do governo alemão, numa entrevista publicada este sábado pelo Westdeutsche Allgemeine Zeitung (WAZ).

Angela Merkel estará "altamente qualificada" para desempenhar cargos de topo na UE quando terminar o seu atual e último mandato como chanceler alemã, pelo que "não consegue imaginar" que aquela governante possa "desaparecer [da vida política] sem deixar rasto", afirma o presidente da Comissão Europeia, citado pelo jornal digital Politico.

"Ela não só é uma pessoa respeitada como também uma adorável obra de arte", enaltece o luxemburguês, cujo mandato de cinco anos à frente da Comissão Europeia termina no início do outono com a posse dos novos dirigentes a eleger em maio.

As eleições europeias são pretexto para Jean-Claude Juncker criticar o presidente francês, Emmanuel Macron, dada a sua recusa em apoiar o sistema de "candidato principal" - para presidente da Comissão e que foi aplicado pela primeira vez há cinco anos - em cada família política europeia.

"Os Liberais, a que Emmanuel Macron pertence, falharam na escolha de um candidato principal e nomearam nove candidatos", observa Juncker. "Posso já afirmar o seguinte: Não haverá nove presidentes liberais da Comissão."

Sobre a segurança da votação nas eleições para o Parlamento Europeu, Juncker mostra-se preocupado com as tentativas de influenciar os resultados que diz existirem e "não apenas de fora da UE".

"Estados membros da UE estão também a procurar orientar a vontade dos eleitores numa determinada direção com notícias falsas", assegura o presidente cessante da Comissão na entrevista ao WAZ.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.