Um palestiniano morto por soldados israelitas na faixa de Gaza

Zakaria al-Kafarneh, 24 anos, foi atingido no peito, perto de Jabaliya, no norte da faixa de Gaza

Um palestiniano foi hoje morto a tiro por soldados israelitas na faixa de Gaza durante manifestações de protesto contra o reconhecimento pelos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel, indicou o Ministério da Saúde do governo de Gaza.

Zakaria al-Kafarneh, 24 anos, foi atingido no peito, perto de Jabaliya, no norte da faixa de Gaza, em confrontos ao longo da barreira que separa Israel do enclave palestiniano, precisou o ministério.

Trata-se do nono palestiniano morto nas violências provocadas pela decisão norte-americana anunciada a 6 de dezembro.

Segundo a mesma fonte, seis palestinianos foram feridos por balas reais durante concentrações nas quais participaram centenas de pessoas em diferentes pontos da referida barreira. Um dos feridos está em estado grave.

O movimento radical islâmico Hamas, que governa o território sob bloqueio, tinha apelado a uma nova jornada de protesto após as orações de hoje.

A decisão unilateral do Presidente Donald Trump de "voltar as costas" a decénios de diplomacia norte-americana e internacional provocou manifestações e confrontos quase diários nos territórios palestinianos, que causaram centenas de feridos e levaram a dezenas de detenções.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.