Um palestiniano morto por soldados israelitas na faixa de Gaza

Zakaria al-Kafarneh, 24 anos, foi atingido no peito, perto de Jabaliya, no norte da faixa de Gaza

Um palestiniano foi hoje morto a tiro por soldados israelitas na faixa de Gaza durante manifestações de protesto contra o reconhecimento pelos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel, indicou o Ministério da Saúde do governo de Gaza.

Zakaria al-Kafarneh, 24 anos, foi atingido no peito, perto de Jabaliya, no norte da faixa de Gaza, em confrontos ao longo da barreira que separa Israel do enclave palestiniano, precisou o ministério.

Trata-se do nono palestiniano morto nas violências provocadas pela decisão norte-americana anunciada a 6 de dezembro.

Segundo a mesma fonte, seis palestinianos foram feridos por balas reais durante concentrações nas quais participaram centenas de pessoas em diferentes pontos da referida barreira. Um dos feridos está em estado grave.

O movimento radical islâmico Hamas, que governa o território sob bloqueio, tinha apelado a uma nova jornada de protesto após as orações de hoje.

A decisão unilateral do Presidente Donald Trump de "voltar as costas" a decénios de diplomacia norte-americana e internacional provocou manifestações e confrontos quase diários nos territórios palestinianos, que causaram centenas de feridos e levaram a dezenas de detenções.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.