Jack Merrit. Jovem que ajudava ex-reclusos morreu no ataque em Londres

Já se conhece a identidade de uma das vítimas mortais. Tinha 25 anos e apoiava na reabilitação de antigos reclusos.

Já se conhece o nome de uma das vítimas do ataque terrorista desta sexta-feira na Ponte de Londres. Jack Merritt, de 25 anos, era coordenador do curso "Learning Together", um programa do instituto de criminologia da Universidade de Cambridge que organizava naquele dia uma conferência perto do local onde foi perpetrado o atentado.

A morte de Merritt foi confirmada pelo pai nas redes sociais, que descreveu o filho como "um espírito bonito que estava sempre ao lado dos oprimidos" e que acreditava profundamente no conceito de reabilitação de prisioneiros.

"O meu filho Jack, que foi morto neste ataque, não gostaria que a sua morte fosse usada como pretexto para mais sentenças draconianas ou para deter pessoas desnecessariamente", escreveu, conta a BBC.

Um comentário dirigido a Boris Johnson, que tentou tirar capital político do atentado, alegando que argumentou "muito tempo" que é "um erro permitir que criminosos sérios e violentos saiam mais cedo da prisão e é muito importante abandonar este tipo de hábito e aplicar na totalidade as sentenças apropriadas para criminosos perigosos, especialmente terroristas".

O pai de Jack Merritt disse ainda que toda a comunidade de Cambridge estava em choque. Serena Wright, professora de criminologia na Universidade Royal Holloway e colega do coordenador, citada pelo Telegraph, também falou sobre a perda de um jovem "doce, carinhoso e [o mais] altruísta [que já conheci]".

Merritt é ainda descrito como alguém que tinha sempre tempo para ajudar quem precisasse dele. "É completamente insubstituível - lamentarei sempre a sua perda e honrarei a sua memória", disse ainda a colega e amiga de uma das vítimas do homem que espalhou o terror na Ponte de Londres.

A outra vítima mortal do ataque foi uma mulher, mas ainda não foi revelada a sua identidade.

Atacante teria pedido ajuda para se desradicalizar

A comissária chefe da polícia de Londres, Cressida Dick, confirmou que o atentado terrorista com arma branca provocou dois mortos e três feridos, que se encontram hospitalizados.

O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido emitiu um comunicado em que revela que um dos feridos está em "estado crítico mas estável", outro em "condição estável", enquanto a terceira pessoa "tem lesões menos graves".

Entretanto, soube-se que o autor do ataque, Usman Khan, de 28 anos, usava pulseira eletrónica desde que deixou a prisão, após ter estado detido por crimes relacionados com terrorismo.

Segundo o Guardian, o presumível atacante era conhecido pelas autoridades do serviço britânico de informações de segurança interna (MI5) devido a essa condenação.

O advogado de Usman Khan garantiu ao jornal britânico que o seu cliente percebeu que o extremismo violento estava errado e aceitou que o entendimento do Islão não era o correto e teria pedido ajuda para se desradicalizar.

Usman Khan era um dos nove membros de um grupo terrorista inspirado pela Al Qaeda, condenado em 2012 por planear colocar uma bomba na Bolsa de Valores de Londres e construir um campo de treino terrorista no Paquistão, o qual terá sido desmontado pelo MI5 e pela policia. Este fundamentalista também terá apoiado o al-Muhijaroun, um grupo extremista no qual dezenas de extremistas estavam envolvidos.

Vajahat Sharif, o advogado, garante que Khan ficou desiludido com o grupo depois de ser detido, mas após a saída da prisão os extremistas podem ter feito com que ele tivesse voltado às suas fileiras. Assegurou ainda que Khan mencionou pela primeira vez a intenção de se libertar do extremismo islâmico após a sua condenação em 2012 e depois repetidamente ao longo do tempo de prisão, reafirmando esse desejo pela última vez em 2018.

"Ele solicitou a intervenção de um desradicalizador quando estava na prisão", disse Sharif. "A única opção era a liberdade condicional e eles não sabem lidar com este tipo de criminosos. Ele pediu-me o telefone para obter assistência de um desradicalizador específico", assegurou o advogado.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...