IURD ameaça organizadores de marcha das mulheres contra vasectomia em Angola

A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola desvinculou-se da marcha solidária com mulheres de pastores que fizeram vasectomia e ameaça agir criminalmente contra a organização, que diz ter usado ilegalmente os símbolos daquela organização religiosa.

A "marcha pacífica", organizada pela "sociedade de mulheres membros da IURD" foi divulgada na imprensa angolana e está agendada para sábado, em Luanda, anunciando-se como uma manifestação de solidariedade com as esposas de pastores que fizeram vasectomia.

Em resposta, a IURD emitiu um comunicado contestando o uso do seu símbolo, com a menção "Comissão de Reforma" na convocatória entregue aos órgãos de comunicação social, informando que vai tomar "as devidas providências relativamente ao uso indevido, ilícito e ilegal dos seus símbolos distintivos" que considera induzirem as pessoas em erro.

A IURD repudia ainda as acusações de que é alvo, negando violações de direitos humanos e os abusos e garante que não pratica quaisquer atos de discriminação ou violência física ou psicológica sobre os seus membros.

Queixa-se ainda que tem sido alvo de atos violentos por parte dos membros da suposta Comissão de Reforma e avisa que não pactuará contra atos de violência gratuita, tendo já apresentado queixas-crime junto das autoridades.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG