Itália reabre fronteiras a 3 de junho e turistas não terão de fazer quarentena

O país vai abrir as fronteiras com a União Europeia, sem necessidade de quarentena, a partir de 3 de junho, segundo um decreto aprovado este sábado de madrugada, que estabelece também normas para a reabertura das atividades económicas do país.

A estratégia saiu de uma longa noite de reunião do Conselho de Ministros italiano e o objetivo é fomentar um regresso mais célere do turismo ao país. Assim, Itália reabre as fronteiras com os países da União Europeia do espaço Schengen a 3 de junho (última fase do plano de desconfinamento), sem decretar quarentena obrigatória para quem chega de novo ao país

O diploma legal determina ainda que a partir da mesma data será permitida a deslocação entre as diferentes regiões. Para além de acrescentar que as viagens a partir de e para o estrangeiro poderão apenas estar limitadas por medidas governamentais dos outros países e pelo "cumprimento das restrições decorrentes da regulamentação da União Europeia e de obrigações internacionais".

As medidas têm como objetivo recuperar os fluxos turísticos no país durante o verão, e foram fortemente apoiada pelos ministros da Cultura, dos Negócios Estrangeiros e dos Assuntos Europeus.

Além disso, facilitará o reencontro das numerosas famílias separadas pelo bloqueio fronteiriço, aplicado desde março.

A proibição de mobilidade será limitada às pessoas que testem positivo para o coronavírus ou que se estejam em quarentena.

Reabertura do comércio, bares, restaurantes e praias

Tal como acontece em Portugal, Itália começa uma nova fase de desconfinamento na próxima segunda-feira (18 de maio). Serão levantadas todas as restrições à circulação dentro da mesma região e reabrem empresas, comércio, bares, restaurantes, cabeleireiros, praias.

Nos restaurantes, por exemplo, as mesas devem ser separadas por pelo menos um metro, uma distância que pode ser reduzida se forem utilizados separadores. Vai ser permitida a medição de temperatura dos clientes e impedir a sua entrada se ultrapassarem os 37,5 graus, devendo os estabelecimentos fornecer produtos desinfetantes e limpar o estabelecimento várias vezes ao dia.

Não serão permitidos buffets e os funcionários devem usar uma máscara e desinfetar as mãos antes de cada serviço. Os clientes devem também usar a máscara até se sentarem à mesa.

Nas praias, os banhistas devem ter uma distância mínima de um metro, criando-se entradas e saídas diferenciadas, e cada guarda-sol deve ocupar pelo menos 10 metros quadrados.

Estas medidas terão de ser adotadas com base num protocolo de segurança que o Governo acordou com as regiões na sexta-feira. No entanto, muitos comerciantes italianos manifestaram-se preocupados com a falta de indicações a apenas três dias do regresso à atividade.

Itália é o quinto país do mundo com o maior número de infetados pelo novo coronavírus (mais de 223 mil pessoas) e a terceira nação que contabiliza mais vítimas mortais (31 610).

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG