William tem apenas 11 anos mas já tirou um curso superior

William Maillis quer ser astrofísico e provar a existência de Deus através da ciência

Ainda lhe faltam uns bons anos para poder votar ou conduzir. Mas pode tirar um curso superior. Com apenas 11 anos, William Maillis formou-se em Artes pela universidade de St Petersburg, na Florida.

"Estou totalmente fascinado pelo William e pelo trabalho que ele tem feito. Ele é extremamente brilhante, muito aberto e cooperativo", disse Tonjua Williams, a reitora da universidade de São Petersburgo.

Os pais de William consideram que o rapaz foi sempre precoce: com dois anos já fazia contas simples de matemática, aos três aprendeu o alfabeto em seis línguas e aos quatro começou a aprender álgebra.

Com apenas nove anos terminou o ensino secundário na Escola Secundária de Penn-Trafford, perto de Pittsburgh, no estado da Pensilvânia, e em 2016 inscreveu-se na Universidade de St Petersburg, tendo recebido o diploma no último sábado.

"Todos têm um dom de Deus. Eu fui abençoado pelo dom do conhecimento de ciência e história", contou o jovem à CNN.

William quer continuar a estudar. Pretende tirar um doutoramento em astrofísica e provar a existência de Deus através da ciência. Começa as aulas em agosto na Universidade do Sul da Florida e espera concluir o curso com 18 anos, a idade com que muitos jovens entram para o ensino superior.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.