William tem apenas 11 anos mas já tirou um curso superior

William Maillis quer ser astrofísico e provar a existência de Deus através da ciência

Ainda lhe faltam uns bons anos para poder votar ou conduzir. Mas pode tirar um curso superior. Com apenas 11 anos, William Maillis formou-se em Artes pela universidade de St Petersburg, na Florida.

"Estou totalmente fascinado pelo William e pelo trabalho que ele tem feito. Ele é extremamente brilhante, muito aberto e cooperativo", disse Tonjua Williams, a reitora da universidade de São Petersburgo.

Os pais de William consideram que o rapaz foi sempre precoce: com dois anos já fazia contas simples de matemática, aos três aprendeu o alfabeto em seis línguas e aos quatro começou a aprender álgebra.

Com apenas nove anos terminou o ensino secundário na Escola Secundária de Penn-Trafford, perto de Pittsburgh, no estado da Pensilvânia, e em 2016 inscreveu-se na Universidade de St Petersburg, tendo recebido o diploma no último sábado.

"Todos têm um dom de Deus. Eu fui abençoado pelo dom do conhecimento de ciência e história", contou o jovem à CNN.

William quer continuar a estudar. Pretende tirar um doutoramento em astrofísica e provar a existência de Deus através da ciência. Começa as aulas em agosto na Universidade do Sul da Florida e espera concluir o curso com 18 anos, a idade com que muitos jovens entram para o ensino superior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.