Um rapaz e uma gata. Os possíveis herdeiros da fortuna de Lagerfeld

Estilista, que morreu esta terça-feira, aos 85 anos, deixa uma fortuna avaliada em cerca de 200 milhões de euros.

Chama-se Choupette e era um dos grandes amores de Karl Lagerfeld. Na sequência da morte do icónico estilista da casa Chanel, o nome de Choupette surge entre os possíveis herdeiros da fortuna do criador alemão. Sem filhos ou companheiro/a oficial a quem deixar uma fortuna avaliada em cerca de 200 milhões de euros, Lagerfeld revelou em algumas entrevistas que a sua gata birmanesa branca seria uma das herdeiras dos seus bens.

Sim, Choupette é uma gata. Mas não uma gata qualquer, está bom de perceber. Uma birmanesa branca que come em pratos de porcelana chinesa, tem duas assistentes pessoais, um motorista, uma conta de Instagram em seu nome com mais de 130 mil seguidores, um livro e uma fortuna própria avaliada em três milhões de euros, que ganhou num par de trabalhos como modelo.

Choupette é apenas uma excentricidade mais numa vida que foi tudo menos convencional como a de Karl Lagerfeld. A gata começou por ser o animal de estimação do modelo francês Baptiste Giabicomi, uma das musas inspiradoras do estilista alemão, mas foi adotada pelo designer da casa Chanel durante um período em que ficou a tomar conta dela, incapaz depois de a devolver.

"Ainda não são possíveis os casamentos entre humanos e animais... nunca pensei que pudesse ficar assim apaixonado por um gato", disse Lagerfeld à CNN em 2013.

Choupette tornou-se companhia inseparável do estilista, que lhe dedicou até uma coleção inteira: Choupette in Love. Em 2014, a gata birmanesa ganhou direito a uma biografia intitulada Choupette: The Private Life of a High-Flying Cat.

No ano passado, em entrevista à revista Numéro, Karl Lagerfeld assegurou que Choupette seria "uma das herdeiras" da sua fortuna quando morresse. "Entre outros, não se preocupem, vai haver que chegue para toda a gente." Confrontado com o facto de a lei francesa (tal como a portuguesa) não permitir deixar heranças a animais, respondeu: "Ainda bem que não sou francês então."

Já em 2015, numa entrevista ao programa Le Divan, o criador alemão afirmava: "Se me acontecer alguma coisa, a pessoa que se ocupar dela não ficará na miséria. A publicidade que ela faz, dinheiro com o qual eu não fico, está-lhe reservado. Ela é uma menina rica."

Na terça-feira, dia da morte do estilista da Chanel, o jornal francês Le Figaro anunciava que a gata tinha já uma conta bancária em seu nome e avançava a possibilidade de ser criada a figura de pessoa moral para cuidar de Choupette, através de uma fundação ou de uma associação.

Hudson Kroenig, o afilhado

Karl Lagerfeld não tinha filhos biológicos. Família direta, apenas uma irmã e uma meia-irmã com as quais não falava há décadas, tendo mesmo dito ao The New York Times que a sua verdadeira família eram os modelos e assistentes com quem trabalhava mais de perto.

Não tinha filhos, mas tinha um afilhado, que surge naturalmente também como um dos favoritos a herdar a fortuna do estilista alemão. Hudson Kroenig, de 11 anos, é filho de Brad Kroenig, um dos modelos preferidos de Lagerfeld, e desde muito cedo tornou-se uma companhia habitual de Lagerfeld nos desfiles, nos quais se estreou com apenas 2 anos (então ao lado do pai).

"Quando Hudson chega a casa de um desfile num qualquer lugar exótico do mundo a sua primeira pergunta é: quando é o próximo desfile", contou a mãe, Nicole, filha de Nick Bollettieri, um famoso treinador de ténis.

"Hudson é uma versão moderna de Jackie Coogan, a criança que atuou ao lado de Charlie Chaplin em The Kid", disse Karl Lagerfeld em 2015 sobre o afilhado, a quem dedicou também um livro da Chanel e uma exibição fotográfica.

O rapaz, de 11 anos, deverá assim ser um dos herdeiros do criador que esteve ligado à casa Chanel durante mais de 30 anos. Tal como os pais, Brad e Nicole, o irmão mais novo, Jameson, e também outras duas musas de Lagerfeld, Baptiste Giabiconi (de quem ganhou a gata Choupette), bem como Sébastien Jondeau, assistente pessoal do estilista durante vários anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.