Um português na Síria: "Visitar um país não legitima o seu sistema"

João Oliveira, fundador da agência de viagens de aventura Portugueses em Viagem, tinha marcada uma expedição à Síria. O crescendo da violência fê-lo desistir. Da expedição em grupo. Mas não da viagem. Foi sozinho. Ver a realidade de perto. Na primeira pessoa. Este é o relato que fez, por e-mail, ao DN

Não foi em turismo, mas foi o turismo que o levou à Síria. Entre o fim de março e o início de abril, João Oliveira passou por cidades como Damasco, Saidnaya, Malula, Homs, Tartus, Shahba, Qanawat. Fundador e coordenador da Portugueses em Viagem, agência de viagens e turismo de aventura, tinha previsto realizar a expedição com um grupo de pessoas (o máximo por grupo é de oito viajantes), mas acabou por ir sozinho.

"A expedição à Síria foi anunciada em outubro passado e gerou muito interesse, mas compreensivelmente a maioria das pessoas fica sempre apreensiva antes de avançar para a reserva da viagem. Fomos contactados por pessoas de ambos os sexos, várias idades, a maioria já nossos clientes e conhecedores do rigor e perfil das nossas expedições. Há algumas semanas, com o agudizar da situação em Ghouta e várias bombas a cair no centro de Damasco, cancelámos o grupo e acabei por vir apenas eu para avaliar a situação no terreno e decidir se este projeto era ou não para manter", explicou ao DN, através de e-mail. Sobre Ghouta, um relatório da ONU, de março, acusa o regime de Bashar al-Assad de uso de armas químicas contra os grupos de rebeldes. Situação que ontem parece ter-se repetido na mesma zona, mais propriamente em Douma, segundo denúncias de organizações no terreno como os Capacetes Brancos. O regime sírio, porém, nega.

Apesar da guerra, que começou em 2011 e, desde então, já fez meio milhão de mortos, João Oliveira diz que "o amor ao património comum é dos únicos pontos de concórdia entre todo o povo sírio numa sociedade dilacerada". O português acredita que "todos os sírios gostariam que por exemplo Palmira voltasse a renasce". E conta que a estrada que dá acesso a Palmira ainda não é segura. Classificadas como Património Mundial da Unesco as ruínas de Palmira foram destruídas pelos terroristas do Estado Islâmico em 2016. Dada a ofensiva da coligação internacional e o apoio dos russos e iranianos ao regime do presidente sírio, os islamitas controlam agora menos de 10% do território sírio.

"Em relação à segurança é preciso ter consciência de que a guerra na Síria é um conflito internacional envolvendo várias potências. A guerra é feita pelas muitas fações do conflito também nos media internacionais e nas redes sociais. Foi preciso atravessar várias cortinas de fumo e alguma histeria para vislumbrar com claridade e objetividade os desafios de segurança desta aventura", relata Oliveira, que viaja de forma consistente há mais de 25 anos e diz gostar "de conhecer o mundo sem filtros e na primeira pessoa". E esclarece: "Visitar um país não legitima o seu sistema. Permite conhecer a realidade local na primeira pessoa e abre caminho para a construção de um futuro mais são que começa no único ponto comum a todos os sírios: o orgulho no seu passado".

Mas como explicar que enquanto milhares de pessoas fogem da Síria para a Europa, arriscando a vida no Mediterrâneo, outros viagem em sentido contrário? "Para mim o povo sírio são todos. Os que saíram e os que ficaram. O que mais me impressiona no povo sírio, em Damasco e na Europa, é a determinação em seguir em frente. Seja o estudante universitário em Lisboa que precisa aprender português para acabar o curso e o faz de forma brilhante em poucos meses, ou a guia num museu sírio que na falta do mosaico mais belo esconde uma lágrima e agarra um postal envelhecido esquecido na receção para explicar o tal mosaico como sempre o fez até ao início da guerra. E o faz de forma majestosa. A palavra que define a Síria neste momento é determinação. Esta viagem é sobretudo humana. Se há algo que levarei para sempre na memória é a comoção com que alguns dos meus anfitriões voltaram a partilhar os segredos dos seus museus, monumentos, castelos, ruínas, mesquitas e igrejas. O turismo é e vai ser sempre a indústria da paz. É uma viagem marcante".

João Oliveira frisa: "Não vim em turismo, vim em trabalho, por motivos claros que me parecem nobres e sensatos". Tendo vivido e trabalhado em Cuba, Moçambique, Guiné-Bissau, Guatemala e Holanda e coordenado vários projetos de desenvolvimento, regressou a Portugal em 2012 e fundou então a Portugueses em Viagem. "A expedição à Síria é uma decisão pioneira que leva esperança às vítimas da guerra que não atravessaram o Mediterrâneo. Em algum momento, a Europa terá que decidir se assumir as suas responsabilidades de forma mais ampla no futuro de todos os sírios. Sem uma única Embaixada em Damasco como pode a Europa contribuir para uma solução de paz neste? Vamos deixar a Trump, Putin ou aos extremistas islâmicos a tarefa de salvaguardar os direitos humanos? Talvez agora seja a nossa vez de atravessar o Mediterrâneo e tomar decisões construtivas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.