UE prolonga por mais um ano sanções à Rússia por anexação da Crimeia

Organismo europeu reiterou o não-reconhecimento da inserção ilegal da península e de Sebastopol pela Federação Russa

O Conselho da União Europeia (UE) prolongou esta segunda-feira, por mais um ano, as sanções decretadas à Rússia pela anexação ilegal da Crimeia e de Sebastopol.

As sanções, que vigoram agora até 23 de junho de 2019, aplicam-se a cidadãos e empresas da UE e incluem a proibição de importação para o bloco europeu de produtos provenientes da Crimeia ou de Sebastopol, a exportação de bens e tecnologias que possam ser usados nos setores dos transportes, telecomunicações ou energia e ainda qualquer tipo de investimento em ambos os territórios.

Nenhum cidadão ou empresa europeia pode ter património imobiliário ou mobiliário na Crimeia, financiar empresas ou ali prestar serviços, as empresas de cruzeiros turísticos da UE também continuam proibidas de acostar em portos da Crimeia ou de Sebastopol, a não ser em casos de emergência.

A UE reiterou ainda o não-reconhecimento da anexação ilegal da Crimeia e de Sebastopol, há já quatro anos, pela Federação Russa e mantém a posição de condenação do que considera ser uma violação da legislação internacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.