Trump vs. Macron e Trudeau antes da cimeira do G7

Twitter é palco de troca de palavras entre presidentes dos EUA e de França, com o anfitrião canadiano do lado de Macron.

As questões comerciais e a decisão dos EUA de aplicarem tarifas às importações de aço e alumínio vão marcar a reunião do G7 que começa hoje no Quebeque. E já está a provocar uma troca de palavras entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e os líderes de Frrança, Emmanuel Macron, e do Canadá, o primeiro-ministro Justin Trudeau.

"O presidente americano pode não se importar de estar isolado, mas nós também não nos importamos de assinar um acordo a seis países se for necessário", escreveu Macron no Twitter, repetindo as declarações numa conferência de imprensa com Trudeau. "Porque estes seis países representam valores, representam um mercado económico que tem o peso da história por detrás e que é agora uma verdadeira força internacional", acrescentou.

Macron foi o primeiro líder do G7 a chegar ao Quebeque, onde entre hoje a amanhã decorre a cimeira dos líderes do Canadá, EUA, França, Reino Unido, Alemanha, Itália e Japão (a Rússia foi suspensa do grupo em 2014, após a anexação da Crimeia). No encontro prévio a esta reunião, líder francês e primeiro-ministro canadiano criticaram as tarifas norte-americanas.

"As tensões estão a aumentar por todo o lado. Este G7 será exigente", escreveu mais tarde. "O risco: criar um mundo onde a lei do mais forte. Isso não é bom para nós, nem para nenhum dos nossos amigos no mundo. É por isso que continuaremos a lutar."

Resposta de Trump

O presidente norte-americano respondeu também no Twitter.

"Por favor digam ao primeiro-ministro Trudeau e ao presidente Macron que eles estão a cobrar tarifas massivas aos EUA e a criar barreiras não monetárias. O superavit comercial da UE com os EUA é de 152 mil milhões de dólares e o Canadá mantém os nossos agricultores e outros de fora. Ansioso por vê-los amanhã", escreveu.

E continuou noutro tweet, duas horas depois, em que disse que Trudeau está a ser "indigno", ao falar do relacionamento histórico entre os EUA e Canadá. "mas não menciona o facto de nos cobrar mais 300% pelos lacticínios - prejudicando os nossos agricultores, matando a nossa agricultura".

Passadas mais duas horas, voltou a atacar. "Porque é que a UE e o Canadá não estão a informar o público que, durante anos, usaram tarifas comerciais massivas e barreiras comerciais não monetárias contra os EUA. Totalmente injusto para os nossos agricultores, trabalhadores e empresas. Derrubem com as vossas tarifas e barreiras ou vamos mais do que vos igualar."

Já de manhã, antes de partir para o Canadá, Trump voltou ao Twitter: "Ansioso por endireitar os nossos acordos de comércio injustos com os países do G7. Se isso não acontecer, sairemos ainda melhor!"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.