Trump vs. Macron e Trudeau antes da cimeira do G7

Twitter é palco de troca de palavras entre presidentes dos EUA e de França, com o anfitrião canadiano do lado de Macron.

As questões comerciais e a decisão dos EUA de aplicarem tarifas às importações de aço e alumínio vão marcar a reunião do G7 que começa hoje no Quebeque. E já está a provocar uma troca de palavras entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e os líderes de Frrança, Emmanuel Macron, e do Canadá, o primeiro-ministro Justin Trudeau.

"O presidente americano pode não se importar de estar isolado, mas nós também não nos importamos de assinar um acordo a seis países se for necessário", escreveu Macron no Twitter, repetindo as declarações numa conferência de imprensa com Trudeau. "Porque estes seis países representam valores, representam um mercado económico que tem o peso da história por detrás e que é agora uma verdadeira força internacional", acrescentou.

Macron foi o primeiro líder do G7 a chegar ao Quebeque, onde entre hoje a amanhã decorre a cimeira dos líderes do Canadá, EUA, França, Reino Unido, Alemanha, Itália e Japão (a Rússia foi suspensa do grupo em 2014, após a anexação da Crimeia). No encontro prévio a esta reunião, líder francês e primeiro-ministro canadiano criticaram as tarifas norte-americanas.

"As tensões estão a aumentar por todo o lado. Este G7 será exigente", escreveu mais tarde. "O risco: criar um mundo onde a lei do mais forte. Isso não é bom para nós, nem para nenhum dos nossos amigos no mundo. É por isso que continuaremos a lutar."

Resposta de Trump

O presidente norte-americano respondeu também no Twitter.

"Por favor digam ao primeiro-ministro Trudeau e ao presidente Macron que eles estão a cobrar tarifas massivas aos EUA e a criar barreiras não monetárias. O superavit comercial da UE com os EUA é de 152 mil milhões de dólares e o Canadá mantém os nossos agricultores e outros de fora. Ansioso por vê-los amanhã", escreveu.

E continuou noutro tweet, duas horas depois, em que disse que Trudeau está a ser "indigno", ao falar do relacionamento histórico entre os EUA e Canadá. "mas não menciona o facto de nos cobrar mais 300% pelos lacticínios - prejudicando os nossos agricultores, matando a nossa agricultura".

Passadas mais duas horas, voltou a atacar. "Porque é que a UE e o Canadá não estão a informar o público que, durante anos, usaram tarifas comerciais massivas e barreiras comerciais não monetárias contra os EUA. Totalmente injusto para os nossos agricultores, trabalhadores e empresas. Derrubem com as vossas tarifas e barreiras ou vamos mais do que vos igualar."

Já de manhã, antes de partir para o Canadá, Trump voltou ao Twitter: "Ansioso por endireitar os nossos acordos de comércio injustos com os países do G7. Se isso não acontecer, sairemos ainda melhor!"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.