Trump pede à justiça para arquivar inquérito sobre ingerência russa nas eleições

"O procurador-geral Jeff Sessions deve pôr fim a esta caça às bruxas viciada", escreveu o presidente dos EUA no Twitter

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pediu esta quarta-feira ao ministro da Justiça, Jeff Sessions, para pôr fim ao inquérito sobre a ingerência russa nas presidenciais norte-americanas de 2016.

Numa mensagem na rede social Twitter, Trump afirmou que a investigação está minada por conflitos de interesses do procurador especial Robert Mueller e manipulada pelos seus adversários políticos.

"É uma situação terrível e o Procurador-Geral Jeff Sessions deve pôr fim a esta caça às bruxas viciada, antes que continue a manchar o nosso país", escreveu.

O comentário de Trump foi feito um dia depois do início do julgamento do seu ex-diretor de campanha, Paul Manafort, suspeito de acusado de fraude e branqueamento de capitais, o primeiro julgamento que resulta da investigação de Mueller sobre uma ingerência russa na campanha.

O Presidente norte-americano afirmou também que o julgamento de Manafort "não tem nada a ver com conspiração".

"Paul Manafort trabalhou com Ronald Reagan, Bob Dole e muitos outros destacados e respeitados líderes políticos. Trabalhou para mim muito pouco tempo", escreveu.

Manafort foi contratado pela campanha em março de 2016, promovido a diretor de campanha em maio e demitiu-se em agosto.

"Porque é que o governo não me disse que ele estava a ser investigado? Estas acusações antigas não têm nada a ver com conspiração -- uma farsa!", escreveu Trump.

A administração Trump mantém uma relação tensa com Mueller desde que foi nomeado, em maio de 2017, para dirigir o inquérito às suspeitas de ingerência russa na campanha presidencial para favorecer o candidato Donald Trump.

Mueller foi nomeado pelo procurador-geral adjunto, Rod Rosenstein, depois de Sessions se ter escusado a fazê-lo por poder vir a ser ele próprio chamado a testemunhar, o que acabou por ocorrer.

Nesse sentido, Sessions não tem competência para arquivar o inquérito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.