Trump informou Palestina da intenção de transferir embaixada para Jerusalém

Presidente norte-americano telefonou a Mahmud Abbas

O presidente norte-americano, Donald Trump, telefonou esta terça-feira ao presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, para o informar da intenção de transferir a embaixada dos Estados Unidos em Israel de Telavive para Jerusalém, disse à imprensa o porta-voz de Abbas.

Nabil Abu Rudeina, o porta-voz, acrescentou que Abbas advertiu Trump para "as consequências perigosas" de uma tal decisão para os esforços de paz para o Médio Oriente e para a segurança e estabilidade na região e no mundo.

Rudeina não disse se Trump comunicou a Abbas uma data para a transferência.

Os palestinianos querem que Jerusalém-leste, anexada por Israel em 1967, seja a capital de um futuro Estado da Palestina.

Os países com representação diplomática em Israel têm as embaixadas em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções das Nações Unidas, de que o estatuto de Jerusalém deve ser definido em negociações entre israelitas e palestinianos.

Donald Trump telefonou também hoje ao rei da Jordânia, Abdullah II, para o informar da intenção, anunciou o palácio real.

A Jordânia é o guardião dos locais santos muçulmanos de Jerusalém.

Segundo a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, Donald Trump vai telefonar também hoje ao primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e a outros dirigentes mundiais, que não identificou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...