Trump diz que Steve Bannon "enlouqueceu"

Presidente dos EUA reage às críticas do ex-conselheiro, que serão divulgadas num novo livro

Donald Trump diz que o ex-conselheiro e estratega da Casa Branca Steve Bannon"enlouqueceu". Isto porque Bannon afirmou, segundo um livro a que o Guardian teve acesso, que a reunião do filho do Presidente dos EUA com russos, durante a campanha, foi "traição" e "anti-patriótica".

"Steve Bannon não tem nada a ver comigo ou a minha presidência. Quando foi despedido, não perdeu apenas o trabalho, perdeu também a cabeça", afirmou Trump em comunicado, citado pelo Washington Post.

"Steve finge estar em guerra com os media, aos quais ele chama partido da oposição e, no entanto, passou o seu tempo na Casa Branca a divulgar informação falsa aos media para fazer parecer que era mais importante do que o que realmente era. É a única coisa que ele faz bem", acrescenta o líder norte-americano.

Revelações explosivas de "fogo e fúria"

Bannon é citado num novo livro, a que o jornal Guardian teve acesso, com revelações que classifica como explosivas.

Foi em declarações ao autor do livro, que se intitula "Fire and Fury: Inside the Trump White House" ("Fogo e Fúria", a mesma expressão usada por Trump para ameaçar a Coreia do Norte em agosto), que Bannon falou sobre a investigação do FBI às alegações de conluio entre a campanha de Trump e autoridades russas. "Vão esmagar o Don Junior como um ovo, na televisão nacional", foi a previsão de Bannon.

Segundo o jornal britânico, o livro é baseado em mais de 200 entrevistas com o presidente e com os que lhe são mais próximos na administração. Bannon é citado extensivamente e muitas vezes com "linguagem colorida", para descrever o clima dramático e facadas nas costas dentro da Casa Branca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.