Míssil norte-coreano passou ao lado de avião de passageiros

Na quarta-feira Pyongyang lançou um míssil que disse ser capaz de alcançar "todo o território dos Estados Unidos"

A tripulação de um avião da Cathay Pacific garante que viu a passagem do míssil norte-coreano lançado na semana passada pelo regime de Pyongyang. A companhia confirmou à BBC que a equipa testemunhou aquilo que parecia ser a reentrada do míssil na atmosfera da Terra.

Na quarta-feira Pyongyang lançou um míssil que disse ser capaz de alcançar "todo o território dos Estados Unidos". O míssil foi disparado em direção a leste a partir da província de Pyongan do Sul, a cerca de 25 quilómetros da capital norte-coreana, Pyongyang, por volta das 03:17 (18:17 de terça-feira em Lisboa).

O projétil percorreu cerca de 960 quilómetros, atingindo uma altitude de mais de 4.000 quilómetros, antes de se despenhar no Mar do Japão (denominado de Mar do Leste nas Coreias).

Tal representa a máxima altitude alcançada até à data por um míssil norte-coreano e sinaliza um novo e perigoso avanço do programa norte-coreano.

Segundo o South China Morning Post, o chefe de operações da Cathay Pacific enviou uma mensagem ao staff da companhia a informar que a tripulação do CX893 avisou para o avistamento do míssil a explodir e cair perto da sua localização.

Segundo a BBC, as tripulações de dois aviões sul-coreanos também terão avistado o míssil.

Este foi o terceiro míssil balístico intercontinental (ICBM) disparado pela Coreia do Norte depois dos dois lançados no passado mês de julho.

A Coreia do Sul disse que este poderoso míssil é potencialmente capaz de atingir alvos a 13 mil quilómetros, o que colocaria Washington ao seu alcance.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.