Míssil norte-coreano passou ao lado de avião de passageiros

Na quarta-feira Pyongyang lançou um míssil que disse ser capaz de alcançar "todo o território dos Estados Unidos"

A tripulação de um avião da Cathay Pacific garante que viu a passagem do míssil norte-coreano lançado na semana passada pelo regime de Pyongyang. A companhia confirmou à BBC que a equipa testemunhou aquilo que parecia ser a reentrada do míssil na atmosfera da Terra.

Na quarta-feira Pyongyang lançou um míssil que disse ser capaz de alcançar "todo o território dos Estados Unidos". O míssil foi disparado em direção a leste a partir da província de Pyongan do Sul, a cerca de 25 quilómetros da capital norte-coreana, Pyongyang, por volta das 03:17 (18:17 de terça-feira em Lisboa).

O projétil percorreu cerca de 960 quilómetros, atingindo uma altitude de mais de 4.000 quilómetros, antes de se despenhar no Mar do Japão (denominado de Mar do Leste nas Coreias).

Tal representa a máxima altitude alcançada até à data por um míssil norte-coreano e sinaliza um novo e perigoso avanço do programa norte-coreano.

Segundo o South China Morning Post, o chefe de operações da Cathay Pacific enviou uma mensagem ao staff da companhia a informar que a tripulação do CX893 avisou para o avistamento do míssil a explodir e cair perto da sua localização.

Segundo a BBC, as tripulações de dois aviões sul-coreanos também terão avistado o míssil.

Este foi o terceiro míssil balístico intercontinental (ICBM) disparado pela Coreia do Norte depois dos dois lançados no passado mês de julho.

A Coreia do Sul disse que este poderoso míssil é potencialmente capaz de atingir alvos a 13 mil quilómetros, o que colocaria Washington ao seu alcance.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...