Tribunal deixa cair uma das acusações contra Harvey Weinstein

Produtor continua a estar acusado de outros cinco crimes de cariz sexual

Um juiz de Nova Iorque deixou cair, esta quinta-feira, uma das seis acusações contra Harvey Weinstein. Segundo a AFP, trata-se da acusação da atriz Lucia Evans, que alegou ter sido coagida a praticar sexo oral ao produtor, em 2004. As restantes cinco acusações, que envolvem alegadas agressões a outras duas mulheres, mantêm-se. Weinstein declarou-se inocente de todos os crimes de que é acusado.

Segundo a Reuters, o advogado de Weinstein, Benjamin Brafman, revelou que irá pedir a retirada das restantes acusações. O produtor negou ter tido relações sexuais não consensuais com mulheres.

No artigo que deu origem às denúncias de várias mulheres sobre o comportamento de Weinstein e que originou o movimento #MeToo, Lucia Evans contou à The New Yorker que o produtor a forçou a fazer sexo oral durante uma reunião.

A defesa do produtor alega que a atriz mentiu e que um detetive da polícia tentou corromper o caso, impedindo que uma testemunha falasse em tribunal,segundo o The Guardian.

Alguns meios de comunicação revelaram que houve problemas com as entrevistas de testemunhas feitas por um dos principais detetives da polícia encarregados da investigação. Foi também avançado que o Ministério Público (MP) descobriu documentos antigos de Lucia Evans onde a atriz sugeria que o seu encontro sexual com Weinstein tinha sido consensual.

Através de um comunicado, a advogada de Evans disse ter ficado desapontada com a decisão do MP, mas afirmou que isso "não diz nada sobre a culpa ou a inocência de Weinstein. Nem reflete sobre a consistente alegação de Lucia de que foi agredida sexualmente por Harvey Weinstein ", afirmou a advogada Carrie Goldberg.

O produtor diz estar inocente e para evitar ficar detido pagou uma fiança de um milhão de dólares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?