Tribunal Constitucional suspende sessão plenária do parlamento da Catalunha para bloquear declaração de independência

Sessão plenária estava agendada para segunda-feira e tinha sido convocada pelos partidos independentistas

O Tribunal Constitucional espanhol decidiu esta quinta-feira suspender a sessão plenária agendada para segunda-feira no parlamento da Catalunha, e na qual poderia ser declarada a independência da região.

Os socialistas da Catalunha tinham pedido ao tribunal a suspensão desta sessão, alegando que se neste encontro fosse declarada a independência da Catalunha seria uma violação da Constituição, refere o La Vanguardia.

Os partidos independentistas Junts Pel Si e CUP pediram ontem, quarta-feira, a convocação de uma sessão plenária do parlamento da Catalunha para discutir os resultados do referendo.

Apesar de o único ponto da ordem de trabalhos da sessão não mencionar especificamente a declaração de independência, a Candidatura de Unidade Popular (CUP), independentistas da esquerda radical que apoia a coligação de governo de centro-direita e republicanos de esquerda Junts pel Sí (JxSí), assegurou que na sessão seria proclamada a república catalã.

Os dois partidos independentistas recorreram a uma norma do regulamento que solicita a comparência do presidente da Generalitat, Carlos Puigdemont. Este, numa entrevista na terça-feira à BBC anunciou a intenção de declarar a independência numa "questão de dias".

Os socialistas catalães (PSC) apresentaram hoje o recurso, onde se adverte que convocar a sessão plenária implica "ignorar a suspensão proveniente do Tribunal Constitucional" sobre a Lei do Referendo.

A referida lei, aprovada em 06 de setembro e suspensa pelo Constitucional, refere que em caso de vitória do "sim" no referendo independentista, "nos dias seguintes à proclamação dos resultados por parte da comissão eleitoral será celebrada uma sessão ordinária [no parlamento] para efetuar a declaração formal de independência da Catalunha".

Nesta consulta, declarada ilegal e suspensa pelo Tribunal Constitucional espanhol, participaram 2,2 milhões de pessoas, num censo de 5,3 milhões (42%), com 90% dos votos a favor da independência, segundo referiu o Governo regional da Catalunha.

Rajoy pede à Catalunha que renuncie à independência

O chefe do executivo espanhol, Mariano Rajoy, pediu hoje ao presidente do governo catalão, Carles Puigdemont, que renuncie à declaração unilateral da independência e assegurou que, no momento mais oportuno, fará o que acredita ser melhor para a Espanha.Numa entrevista à agência espanhola Efe, no palácio da Moncloa, Rajoy pediu ao presidente da Generalitat (governo catalão) que volte à legalidade e que exclua "o mais rapidamente possível" o seu projeto de declaração unilateral de independência, porque é "a melhor solução" para evitar "maiores males".

"A melhor solução, e acho que todos nós concordamos, é o retorno à legalidade, que é que todas aquelas pessoas e governantes que decidiram por sua própria conta e risco liquidar a lei e colocar-se fora dela, retornem à legalidade", disse Rajoy.

Para o presidente do governo, este retorno à legalidade também deve "suprimir" o projeto para fazer uma declaração unilateral de independência e cumprir, "como todos os cidadãos fazem", os preceitos legais.

"Isso é o que pode evitar que grandes males ocorram no futuro e é isso que a sociedade, os editoriais dos 'media', os empresários, os sindicatos e milhões de catalães estão a pedir", afirmou.

Assegurando que, perante a situação na Catalunha, fará "o que pensa que deve fazer, o que acha melhor para a Espanha e no momento que pareça mais apropriado", Rajoy mostrou-se convencido de que esta situação será superada.

"Vou ouvir todos, mas a decisão pertence-me", acrescentou.

A liderança do PSOE enviou hoje uma carta, assinada pelo secretário-geral, Pedro Sánchez, na qual convoca aos membros do Comité Federal, da Comissão Executiva Federal e do Conselho Político Federal do partido para uma reunião "iminente", ainda não datada, perante a grave crise política na Catalunha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.