Três portugueses agredidos na Croácia por outros portugueses

Amigos consideram que foram espancados por terem sido identificados como adeptos do clube azul e branco, já que dois envergavam camisolas do FC Porto.

Três portugueses foram agredidos, nesta quarta-feira à tarde, em Hvar, na Croácia, onde estão de férias, por outros portugueses. O motivo terá sido as camisolas do FC Porto que dois deles vestiam.

Rafael Barbosa, um dos agredidos, contou ao Jornal de Notícias que estavam a passear na rua quando um grupo de portugueses os interpelou. Pensaram que os conheciam e decidiram cumprimentá-los. "Um dos meus amigos tentou cumprimentar um dos rapazes do outro grupo e, de repente, um deles atacou-o com um soco", disse Rafael Barbosa.

"Como estávamos com mochilas, pensei que nos queriam assaltar. Só depois de nos insultarem, chamando-nos tripeiros de m**** e filhos da p***, é que percebemos que tudo poderia estar relacionado com futebol", explica o jovem de 26 anos, natural do Porto.

O português conta ainda que tentaram fugir, mas foram perseguidos. Acabaram por entrar num bar, onde ficaram cerca de uma hora até deixarem de avistar os agressores.

O trio esteve num centro de saúde local para observação e já apresentou queixa na polícia. Os jovens devem regressar a Portugal no domingo.

Ler mais

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.