Jovem indiana foi violada duas vezes pelo mesmo grupo

Três anos depois da primeira agressão a jovem foi "punida" por insistir na acusação em tribunal. Os protestos multiplicam-se na Índia

Uma estudante universitária indiana afirma ter sido violada uma segunda vez pelos mesmos cinco homens, que, há três anos, a tinha atacado. Os homens terão ainda tentado estrangular a jovem, que foi deixada gravemente ferida nuns arbustos, na passada quarta-feira, na cidade de Rohtak, no norte da Índia. Até ao momento, as autoridades indianas ainda não detiveram nenhum dos indivíduos implicados.

"Estava a sair da faculdade, quando os vi. Eram cinco homens. Fiquei com muito medo", relata a mulher que foi levada para o hospital por uma pessoa que passou na rua. Os homens, cujas idades variam entre os 20 e os 29, são antigos alunos da mesma instituição universitária que a vítima frequenta, informa o The Times of India.

Em 2013, a jovem tinha processado estes mesmos homens pela prática de um crime semelhante, tendo, na sequência, recebido ameaças dos agressores, às quais a polícia parece não ter dado resposta (a segurança da jovem não foi reforçada).

A mulher, que pertence a uma casta conhecida como "os intocáveis", terá sido mesma forçada a mudar de casa (o primeiro crime aconteceu numa cidade a oeste de Rohtak), mas não conseguiu impedir a aproximação dos alegados criminosos. A violação da semana passada terá sido, segundo conta a família da jovem, o castigo pelo caso em tribunal contra os três agressores que, há três anos, não foram detidos e pela nova detenção dos dois outros, que entretanto haviam sido libertados sob fiança.

De acordo com as estatísticas citadas pela BBC, a cada 15 minutos é registada uma violação na Índia. Apesar das medidas legislativas que o país tem adotado, o tratamento desses casos ainda é feito de forma deficiente.

Entretanto, protestos inflamados pela detenção imediata dos homens acusados têm tido lugar em Rohtak.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.