Suspeito gritou "Allahu akbar" durante o ataque ao mercado de Natal

Último balanço oficial indica três mortos e 13 feridos, seis deles em estado grave. Atirador estará ferido e já estava referenciado pelas autoridades. Continua em fuga.

Um homem identificado como Chérif Chekatt, nascido em fevereiro de 1989, disparou junto ao mercado de Natal em Estrasburgo, França, matando pelo menos três pessoas (uma está em morte cerebral) e ferindo outras 13 pessoas - seis das quais em estado grave, segundo o último balanço das autoridades. Pelo menos 350 agentes e polícias estão no terreno à procura do atirador, que estará ferido.

Segundo o procurador da República, Rémy Heitz, o suspeito gritou "Allahu akbar" enquanto disparava. "O terrorismo voltou a atacar o nosso território em Estrasburgo. A ameaça é ainda verdadeira", lamentou, dizendo que há duas pessoas mortas, uma terceira em morte cerebral, e 13 feridos, dos quais seis estão em estado grave.

O procurador descreveu depois o percurso do suspeito, que foi visto pouco antes das 20.00 na Rua de Orfévres, no interior do mercado de Natal. Andou por várias ruas, sempre a abrir fogo, tendo usado também uma faca. Disparou contra quatro militares, que ripostaram e o atingiram no braço.

Segundo Heitz, o suspeito fugiu de táxi, tendo pedido ao taxista para o levar ao distrito de Neuhof, dizendo que tinha disparado sobre os militares e matado dez pessoas. No destino, houve uma nova troca de tiros com a polícia,

A polícia chegou a pedir aos residentes da zona de Neudorf e da Praça de l'Étoile para permanecerem nas suas casas ou confinadas aos locais onde estão, mas ao longo da noite estas medidas foram levantas. É contudo pedido às pessoas que se mantenham vigilantes.

Segundo a câmara de Estrasburgo, todas as manifestações estão hoje proibidas e os equipamentos culturais e de desporto estarão fechados. As escolas estão contudo abertas.

O primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, ativou a célula interministerial de crise e foi declarado estado de emergência por causa de um atentado.

Controlo fronteiriço

Há indicações de que a polícia alemã intensificou o controlo nos postos fronteiriços com a França, para evitar a fuga do suspeito. O autor do atentado no mercado de natal em Estrasburgo permanece fugido. Mantêm-se os controlos na fronteira germano-francesa [repostos na noite de terça-feira], pelo que podem continuar a registar-se tempos de espera nas passagens fronteiriças", alertou hoje a polícia através da sua conta oficial na rede social Twitter.

Numa declaração feita pelas 2.17 de quarta-feira (1.17 em Lisboa), o ministro do Interior, Christophe Castaner, que se deslocou para Estrasburgo ainda na noite de terça-feira, deu conta da operação em curso, para tentar deter o atirador, anunciou o reforço do controlo das fronteiras e uma atenção especial das forças de segurança aos mercados de Natal existentes por toda a França, para evitar outros "ataques por mimetismo".

Segundo o ministro, estão 350 pessoas mobilizadas no terreno, dos quais 100 membros da polícia judiciária, e dois helicópteros. E foram levados "meios complementares" para Estrasburgo.

De acordo com Castaner, o suspeito terá conseguido fugir em pelo menos duas ocasiões ao cerco policial "entre as 20.20 e as 21.00".

A edição online do jornal de Estrasburgo L'Alsace a polícia cercou um prédio, no n.º 5 da rue d'Epinal, no bairro de Neudorf, para onde agentes gritaram, eventualmente dirigindo-se ao suspeito, que terá atuado sozinho : "Não te serve de nada esconderes-te!". Depois deste aviso, a polícia arrombou a porta do edifício, onde decorre a operação policial.

Numa nova atualização, o jornal deu conta que a operação foi infrutífera. Os agentes passaram a pente fino os números 3, 5 e 7 da rua, sem sucesso. As buscas mantêm-se.

A polícia evacuou o centro da cidade, nomeadamente nas ruas des Orfèvres, des Grandes-Arcades e Grand'Rue. De acordo com o L'Alsace, o atirador começou por abrir fogo na rue des Grandes-Arcades e fugiu para a Grand'Rue onde terá havido mais tiros. Já na madrugada de quarta-feira, o ministro anunciava que "todos os locais confinados em Estrasburgo por causa do que aconteceu foram levantados".

Durante a noite, as autoridades efetuaram buscas na casa do suspeito. Segundo a BFMTV, a polícia encontrou uma granada defensiva e uma arma de pequeno calibre. Dois irmãos do suspeito foram entretanto detidos para interrogatório.

Tentaram prendê-lo

Segundo o Le Figaro , o atirador iria ser detido esta terça-feira de manhã pela polícia, mas não o encontraram no seu local de residência, de acordo com uma fonte conhecedora do seu dossiê. Segundo a Der Spiegel, o suspeito terá estado detido até 2017 na Alemanha, tendo sido expulso para França após cumprir pena por roubo.

Já de acordo com o L'Alsace, o indivíduo de 29 anos, responsável pelo ataque, é originário de Hohberg, no bairro de Koenigshoffen, em Estrasburgo, onde decorrem também operações. O homem foi condenado em 2011 a dois anos de prisão, por agressão com arma. O ministro confirmou que o homem era "bem conhecido" das autoridades e foi alvo de várias condenações em França e na Alemanha.

O secretário de Estado do Interior, Laurent Nunez, disse na manhã de terça-feira aos microfones da France Inter que "a motiviação terrorista, nesta altura, não pode ser confirmada. É preciso sermos muito prudentes quando falamos de atentado. O atacante não era conhecido por crimes ligados ao terrorismo. Foi durante uma das estadias na prisão que uma radicalização ligada à prática religiosa foi detetada. É por isso que era vigiado."

A Câmara de Estrasburgo decidiu que o mercado de Natal ficará encerrado esta quarta-feira. O presidente da autarquia decretou um dia de luto. Todos os espetáculos foram cancelados. Os estudantes das escolas básicas e secundárias da cidade estão dispensados de se deslocarem para os estabelecimentos de ensino, que no entanto permanecerão a funcionar, anunciaram as autoridades.

A hipótese de um atentado terrorista é colocada por fonte policial, de acordo com o L'Alsace. O atirador será um "ficher S", um elemento radicalizado que está identificado pela polícia, com 29 anos.

Segundo a publicação no Twitter de um assessor português da eurodeputada Maria João Rodrigues, a polícia pediu a deputados e funcionários que permanecessem no interior dos edifícios do Parlamento Europeu, onde decorre a semana de trabalhos, com a sessão plenária, na cidade francesa (o que acontece uma vez por mês).

Vários deputados foram dando conta ao longo da noite que estavam bem e que se encontravam confinados ao Parlamento Europeu, até que a polícia autorizasse a sua saída e circulação na cidade. Muitos dos principais hotéis de Estrasburgo situam-se na zona central onde decorreu o ataque.

Os eurodeputados puderam começar a sair do edifício apenas às 2.00. A saída dos eurodeputados aconteceu logo após o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, ter anunciado o lançamento de um plano de evacuação em cooperação com a polícia francesa.

Uma hora depois, funcionários e eurodeputados foram escoltados pela polícia em autocarros e carrinhas para o centro da cidade, segundo a agência de notícias AFP.

Hoje decorre em Estrasburgo a entrega do prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento. O galardoado deste ano é o cineasta ucraniano Oleg Sentsov, que está detido na Rússia após ter sido condenado a 20 anos de prisão por "planear atos terroristas" na Crimeia.

Turista tailandês é uma das vítimas

O presidente da câmara de Estrasburgo, Roland Ries, disse à BFMTV que uma das vítimas mortais é um turista tailandês. "A noite passou com certa tensão, enquanto se aguardava os resultados da caça ao atirador. Lamento a dor das famílias. Espero que os médicos consigam salvar os feridos graves, alguns feridos na cabeça", indicou. "Um dos falecidos era de origem tailandesa, um turista, há alsacianos, há pessoas de Estrasburgo", afirmou, decretando um dia de luto em Estrasburgo.

Anupong Suebsamarn, de 45 anos, morreu vítima de um disparo na cabeça quando caminhava com a sua esposa pelo Mercado de Natal da cidade francesa, segundo representantes de uma associação de tailandeses em França citados pelo jornal The Nation.

O casal chegou no dia anterior a Estrasburgo, onde hoje é esperada a chegada do embaixador da Tailândia em França, segundo indicou àquela organização a esposa do falecido, quando se encontrava no hospital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.