Theresa May diz que suspeitos de ataque químico são agentes russos

O Kremlin fala em "manipulação de informação". A primeira-ministra britânica, na primeira reação à nomeação de suspeitos, começou por afirmar ainda que a operação foi autorizada pelos serviços secretos russos

Os dois russos suspeitos de terem usado o agente neurotóxico Novichok contra Sergei e Julia Skripal em março no Reino Unido pertencem à agência de informações russa, GRU, revelou esta quarta-feira a primeira-ministra britânica, Theresa May.

Numa declaração na Câmara dos Comuns, a chefe do Governo indicou que as agências de segurança e informações britânicas realizaram suas próprias investigações sobre a organização responsável pelo ataque.

"Com base neste trabalho, posso hoje dizer à Câmara que, com base num conjunto de informações, o governo concluiu que os dois indivíduos identificados pela polícia e pela CPS [Procuradoria da Coroa] são agentes do Serviço de Inteligência Militar da Rússia, também conhecido como o GRU", indicou.

A GRU, vincou, "é uma organização altamente disciplinada, com uma cadeia de comando bem estabelecida. Então esta não foi uma operação não autorizada. Quase certamente também foi aprovado fora da GRU, a um nível sénior do Estado russo".

Dois cidadãos russos, Alexander Petrov e Ruslan Boshirov, foram hoje oficialmente identificados pelas autoridades britânicas como suspeitos de terem usado o agente neurotóxico 'novichok' contra Sergei e Julia Skripal em março, em Salisbury, no Reino Unido.

A Procuradoria da Coroa [Crown Prosecution Service] considera que existem provas suficientes para acusá-los de conspiração de homicídio de Sergei Skripal e tentativa de homicídio de Sergei e Yulia Skripal e do agente de polícia Nick Bailey.

São ainda considerados suspeitos do uso e posse de substâncias químicas ilegais, cuja origem as autoridades atribuíram à Rússia, onde o agente neurotóxico foi desenvolvido no âmbito de um programa militar nos anos 1970.

O anúncio de hoje é o resultado de uma investigação pela Unidade de Polícia de Contraterrorismo ao ataque registado a 04 de março em Salisbury, no sul de Inglaterra, que entregou o dossiê à procuradoria para avaliar a possibilidade de serem iniciados procedimentos criminais.

As autoridades indicaram ainda que não vão pedir a extradição dos dois suspeitos a Moscovo porque a constituição russa não permite a extradição de seus próprios nacionais e porque recusou pedidos de extradição em situações anteriores.

"No entanto, obtivemos um mandado de detenção europeu, o que significa que, se um dos homens viajar para um país onde o mandado de detenção europeu for válido, ele será preso e será extraditado para responder a essas acusações, para as quais não há prazo de prescrição", vincou a Procuradoria.

Sergei Skripal, um britânico de origem russa com 66 anos, é um antigo agente russo que colaborou com os serviços secretos britânicos.

Juntamente com a filha de 33 anos, Yulia, de nacionalidade russa, foram encontrados semi-inconscientes num banco de jardim, tendo-se apurado mais tarde que tinham sido envenenados com um agente neurotóxico de nível militar.

Depois de estarem hospitalizados em estado grave durante semanas, ambos tiveram alta, tal como o agente Nick Bailey, que também tinha sido contaminado pelo agente chamado 'novichok', cuja origem as autoridades britânicas atribuíram à Rússia.

Na investigação sobre o ataque aos Skripal foi incluída a investigação por homicídio em 08 de julho da britânica Dawn Sturgess, de 44 anos, da localidade vizinha de Amesbury, também foi devido aos efeitos da substância química novichok.

A mulher foi contaminada após manusear um recipiente que continha o agente neurotóxico encontrado num local público, e que também afetou, mas de forma menos grave, o companheiro Charlie Rowley, incidentes que a polícia está convencida estão relacionados.

"Nós não acreditamos que Dawn e Charlie foram visados deliberadamente, mas tornaram-se vítimas como resultado da imprudência com que um agente nervoso tão tóxico foi descartado", acusou o comissário adjunto Neil Basu, responsável pela unidade de combate ao terrorismo.

Peritos da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) confirmaram que a substância era 'novichok' e que o mesmo tipo foi usado nas duas ocasiões.

As autoridades britânicas atribuíram a Moscovo a responsabilidade pelo ataque de março, expulsando uma série de diplomatas russos do país, à semelhança do que fizeram em solidariedade os EUA e outros países, ao que a Rússia respondeu com a expulsão de diplomatas ocidentais.

Rússia fala em "manipulação de informação"

A Rússia denunciou esta quarta-feira uma "manipulação de informação" após as autoridades britânicas terem identificado oficialmente dois cidadãos russos como suspeitos de terem usado um agente neurotóxico contra um ex-espião russo no Reino Unido em março passado.

Moscovo garantiu igualmente desconhecer a identidade dos dois indivíduos agora alvo de um mandado de detenção europeu emitido pelas autoridades britânicas.

"Apelamos uma vez mais aos britânicos que acabem com as acusações públicas e com a manipulação de informação", declarou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, citada pela agência noticiosa pública TASS.

"Os nomes e as fotografias que publicaram nos 'media' não nos dizem nada", acrescentou a porta-voz da diplomacia russa, pedindo a Londres para "cooperar" com a Rússia na investigação sobre o envenenamento com 'novichok' (um agente neurotóxico desenvolvido pela então União Soviética no final do período da Guerra Fria) do ex-espião russo Sergei Skripal e da sua filha Yulia Skripal em Salisbury, no sul de Inglaterra, a 04 de março deste ano.

Este caso originou uma grave crise diplomática entre a Rússia e o Ocidente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."