Rússia acusa EUA de colaboração com o Estado Islâmico

"A aviação da coligação interferiu com voos de aviões russos na zona para facilitar a retirada segura dos combatentes do Estado Islâmico", afirmou o Ministério da Defesa russo

A Rússia afirmou esta terça-feira que tem provas de que os EUA colaboraram com unidades do grupo extremista Estado Islâmico na província síria de Deir Ezzor (leste).

"A operação das tropas governamentais sírias na cidade de Boukamal [último bastião dos jihadistas na Síria] com cobertura aérea da força aérea russa, no final da semana passada, revelou factos de cooperação direta e apoio aos terroristas do Estado Islâmico pela coligação internacional dirigida pelos Estados Unidos", afirmou o Ministério da Defesa russo num comunicado.

A Rússia acusa os EUA de terem permitido a unidades terroristas que fugiam de Boukamal reagrupar-se e rearmar-se nos territórios controlados pela coligação na fronteira sírio-iraquiana, para contra-atacarem as forças do regime.

"Imagens recolhidas por aviões não-tripulados russos a 9 de novembro mostram colunas quilométricas de milícias armadas do Estado Islâmico a fugir de Boukamal para a fronteira", afirmou.

Segundo Moscovo, o comando militar russo propôs à coligação o lançamento de ações conjuntas para bombardear os jihadistas, mas os norte-americanos recusaram, com o argumento de que aqueles se estavam a render e estavam por isso protegidos pela Convenção de Genebra.

"Como se não bastasse, a aviação da coligação interferiu com voos de aviões russos na zona para facilitar a retirada segura dos combatentes do Estado Islâmico", acrescentou.

Para a Rússia, estes eventos constituem "prova irrefutável" de que os EUA, que afirmam combater o terrorismo sem tréguas, "na realidade dão cobertura ativa ao Estados Islâmico" para servir "os interesses norte-americanos no Médio Oriente".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.