Revelado o departamento especial do Pentágono para investigar OVNIs

Pela primeira vez são conhecidos detalhes do programa das Forças Armadas norte-americanas sobre encontros com Objetos Voadores Não Identificados

O nome formal é Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (Advanced Aerospace Threat Identification Program, no original) e na prática trata-se do departamento do Pentágono que, desde 2007, investigou os chamados "objetos voadores não identificados".

Este sábado, pela primeira vez, foram conhecidos detalhes deste programa das Forças Armadas norte-americanas. Ao mesmo tempo, o Departamento da Defesa divulgou um vídeo com um dos casos que esteve sob investigação, o encontro de um F/A-18 Super Hornet da Marinha com algo não identificado -- incidente ocorrido em 2004:

Segundo o jornal The New York Times, que avançou com a notícia, este projeto teve um orçamento de 22 milhões de dólares (18,7 milhões de euros) e foi fundado a pedido do ex-senador Harry Reid, democrata eleito pelo estado do Nevada, que assumidamente é um interessado no "fenómeno OVNI".

Entre 2007 e 2012, ano em que segundo o Pentágono o programa foi cancelado, este departamento agiu em segredo analisando os casos considerados suspeitos, baseados em relatos de militares. E, segundo o NYT, ainda que formalmente o projeto já não esteja orçamentado, as pessoas nele envolvidas continuam a trabalhar neste tipo de situações, acumulando com outras funções dentro do Departamento da Defesa.

Pormenor curioso é também o facto de grande parte do dinheiro ter sido canalizado para a empresa Bigelow Aerospace, sediada no Nevada e dirigida por Robert Bigelow, multimilionário que é amigo do senado Harry Reid.

Dentro das Forças Armadas, no entanto, há quem continue a valorizar as atividades do programa. Ainda segundo o NYT, o antigo diretor do departamento, Luis Elizondo, que saiu do Pentágno no início do ano, utilizou a sua carta de demissão para criticar o Secretário da Defesa, James Mattis: Porque "não se está a gastar mais tempo e esforço neste assunto?", questionou.

O antigo senador Harry Reid, por seu lado, continua a defender este seu projeto. Ao NYT, garantiu mesmo que ninguém sabe o que são estes objetos voadores. "Se alguém diz que tem resposta, está a enganar-se a si mesmo. Simplesmente, não sabemos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.