Revelado o departamento especial do Pentágono para investigar OVNIs

Pela primeira vez são conhecidos detalhes do programa das Forças Armadas norte-americanas sobre encontros com Objetos Voadores Não Identificados

O nome formal é Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (Advanced Aerospace Threat Identification Program, no original) e na prática trata-se do departamento do Pentágono que, desde 2007, investigou os chamados "objetos voadores não identificados".

Este sábado, pela primeira vez, foram conhecidos detalhes deste programa das Forças Armadas norte-americanas. Ao mesmo tempo, o Departamento da Defesa divulgou um vídeo com um dos casos que esteve sob investigação, o encontro de um F/A-18 Super Hornet da Marinha com algo não identificado -- incidente ocorrido em 2004:

Segundo o jornal The New York Times, que avançou com a notícia, este projeto teve um orçamento de 22 milhões de dólares (18,7 milhões de euros) e foi fundado a pedido do ex-senador Harry Reid, democrata eleito pelo estado do Nevada, que assumidamente é um interessado no "fenómeno OVNI".

Entre 2007 e 2012, ano em que segundo o Pentágono o programa foi cancelado, este departamento agiu em segredo analisando os casos considerados suspeitos, baseados em relatos de militares. E, segundo o NYT, ainda que formalmente o projeto já não esteja orçamentado, as pessoas nele envolvidas continuam a trabalhar neste tipo de situações, acumulando com outras funções dentro do Departamento da Defesa.

Pormenor curioso é também o facto de grande parte do dinheiro ter sido canalizado para a empresa Bigelow Aerospace, sediada no Nevada e dirigida por Robert Bigelow, multimilionário que é amigo do senado Harry Reid.

Dentro das Forças Armadas, no entanto, há quem continue a valorizar as atividades do programa. Ainda segundo o NYT, o antigo diretor do departamento, Luis Elizondo, que saiu do Pentágno no início do ano, utilizou a sua carta de demissão para criticar o Secretário da Defesa, James Mattis: Porque "não se está a gastar mais tempo e esforço neste assunto?", questionou.

O antigo senador Harry Reid, por seu lado, continua a defender este seu projeto. Ao NYT, garantiu mesmo que ninguém sabe o que são estes objetos voadores. "Se alguém diz que tem resposta, está a enganar-se a si mesmo. Simplesmente, não sabemos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...