Relatório final da autópsia diz que Julen morreu devido aos traumatismos causados pela queda no poço

Relatório final da autópsia diz que o tempo de sobrevivência da criança após a queda no poço "foi curto".

O relatório final da autópsia de Julen revela que o menino de dois anos morreu às 13:50 do dia 13 de janeiro devido à queda no poço em Totalán, Málaga, Espanha. De acordo com os peritos, no momento da queda a criança sofreu um traumatismo cranioencefálico e medular.

A autópsia põe assim de parte a hipótese, falada na altura, de o menino ter morrido com golpes de picareta durante a operação de resgate, uma vez que não há "fraturas na parte superior do crânio". Além disso, a picareta começou a ser usada quase quatro horas depois da sua morte.

Os especialistas determinaram que o tempo de sobrevivência no poço "foi curto" e que Julen faleceu "poucos minutos depois da queda". É possível ainda dizer que não se tratou de uma queda livre e que a velocidade da queda foi atenuada pelo atrito provocado pelas roupas e pelas saliências do poço.

A criança de dois anos caiu num furo de prospeção de água de cerca de 100 metros de profundidade e 25 centímetros de largura na tarde de domingo, dia 13. A família dava um passeio pela serra junto da propriedade de uns familiares quando o acidente aconteceu. Mais de 300 pessoas - entre mineiros, engenheiros e outros especialistas - estiveram envolvidas nas operações de socorro. O corpo de Julen só foi encontrado no dia 26 de janeiro, 13 dias depois de ter caído no poço

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.