Sonangol desmente exoneração de Isabel dos Santos

Isabel dos Santos foi nomeada para a presidência da Sonangol pelo pai, então presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, em junho de 2016

A Sonangol desmentiu que Isabel dos Santos tenha sido exonerada pelo presidente angolano, João Lourenço, da presidência do Conselho de Administração. A notícia, que tinha sido avançada pela RTP, citando comunicado oficial da presidência angolana, terá sido baseada numa falsa nota de imprensa, indica agora a estação pública portuguesa.

Isabel dos Santos foi nomeada para a presidência da petrolífera Sonangol pelo pai, então presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, em junho de 2016.

Numa nota oficial do governo de Angola, com data do dia 1 de novembro, informa-se apenas que o Presidente da República exonerou o conselho de administração da Empresa de Ferro de Angola, a Ferrangol, dois vice-governadores do Banco de Angola, assim como quatro membros do Conselho de Administração, e o conselho de administração da ENDIAMA, a Empresa de Diamantes de Angola.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.