Presidente da Venezuela apela à solidariedade com povos dos "países de merda"

"Primeiro veio a palavra desprezo, depois as ameaças e a seguir os atos", disse Maduro sobre Trump

O Presidente venezuelano, Nicolas Maduro, pediu na sexta-feira que a "Aliança Bolivariana dos Povos da Nossa América" (ALBA) se solidarize com os países "atacados" pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

"É importante que a ALBA expresse a sua solidariedade para com os povos atacados por Trump: Haiti, El Salvador e América Central. Primeiro veio a palavra desprezo, depois as ameaças e a seguir os atos", afirmou Nicolas Maduro numa reunião da ALBA (plataforma de cooperação entre países da América Latina e Caribe), em Caracas.

Segundo avançaram na quinta-feira vários 'media' norte-americanos, Donald Trump usou a expressão "países de merda" para se referir a países como El Salvador, Haiti e a várias nações africanas, que não identificou, durante uma reunião com um grupo de senadores para debater as leis migratórias para os Estados Unidos.

Mais de 50 países africanos na ONU já exigiram um pedido de desculpas de Donald Trump e o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Cuba também condenou "energicamente" as declarações "racistas" e "grosseiras" do Presidente norte-americano.

"Estas declarações, cheias de ódio e desprezo, indignam o povo cubano, orgulhoso do contributo que ao longo da história recebeu dos nacionais e seus descendentes de diferentes latitudes, particularmente africanos e haitianos", disse o Ministério em comunicado.

Donald Trump chegou na sexta-feira ao aeroporto internacional de Palm Beach, no sul da Florida, para se dirigir à sua residência de inverno para um fim de semana prolongado, já que na segunda-feira é feriado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."