Presidente da Assembleia Nacional e antiga nadadora são novos ministros em França

François de Rugy e Roxana Maracineanu foram nomeados ministros da Transição Ecológida e do Desporto, respetivamente, anunciou o Eliseu, numa altura em que a popularidade de Emanuel Macron regista os níveis mais baixos de sempre.

Primeiro foi Nicolas Hulot. O ministro da Transição Ecológica demitiu-se do cargo na semana passada, durante uma entrevista em direto na rádio France Inter.

Para substituir Hulot, que era o ministro mais popular do governo, foi escolhido o até agora presidente da Assembleia Nacional, François de Rugy.

Rugy, de 44 anos, conhece uma ascensão rápida. Ex-militante do partido ecologista de esquerda (EELV), participou nas primárias de esquerda, nas quais recebeu 3,82% dos votos.

Como os restantes seis candidatos, Rugy comprometeu-se a apoiar o vencedor, mas trocou o suporte a Benoît Hamon, por Emmanuel Macron.

Uma nadadora no lugar de uma esgrimista

Na terça-feira de manhã foi a vez da ministra dos Desportos, Laura Flessel, anunciar em comunicado a saída do governo dirigido por Edouard Philippe.

"Após 16 meses apaixonantes à frente do Ministério do Desporto, tomei a decisão de sair do governo por razões pessoais", começou por escrever a antiga campeã olímpica de esgrima.

Flessel crê ter criado as fundações para uma "reforma profunda do modelo desportivo francês, em especial do seu governo". "Graças a um trabalho paciente de concertação passámos de uma lógica de confrontação a uma lógica de cooperação", afirma.

Na quinta-feira Laura Flessel entrou em desacordo com o presidente do Comité Olímpico Francês, Denis Messaglia, que pretende lançar uma petição para reclamar um aumento orçamental.

À France Presse, elementos da sua equipa afirmam que a demissão "não tem ligação com questões orçamentais". "Ela quer retomar a sua liberdade e agir de forma diferente", afirmaram à agência noticiosa.

Para o seu lugar entra a antiga campeã do mundo de natação (200 metros costas) e medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Sydney,, Roxana Maracineanu. A ex-desportista, nascida na Roménia, terá a gestão dos Jogos Olímpicos de 2024 como o grande dossiê.

Esta é a terceira remodelação durante a presidência Macron. A primeira aconteceu em junho de 2017, com a saída de quatro ministros, entre os quais François Bayrou (ministro de Estado), devido a investigações judiciais.

A segunda dá-se em 24 de novembro e dá-se ao nível dos secretários de Estadio e da alteração do porta-voz do governo. Christophe Castaner, eleito presidente do República em Marcha, cedeu o lugar a Benjamin Griveaux.

As saídas de dois dos mais populares ministros franceses dá-se numa altura em que o presidente Emmanuel Macron vive uma crise de popularidade. De tal forma que está abaixo do nível de popularidade de François Hollande no período homólogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.