Presidente do Mali é favorito na segunda volta das eleições

Na primeira volta, Ibrahim Boubacar Keita foi o mais votado, mas o líder da oposição, Soumaila Cissé, contestou os resultados.

Mais de 8,4 milhões de eleitores do Mali são chamados a votar hoje na segunda volta das presidenciais, nas quais o presidente cessante, Ibrahim Boubacar Keïta, é considerado favorito face ao líder da oposição, Soumaila Cissé.

Na primeira ronda, a 29 de julho, os resultados apresentados pela presidente do Tribunal Constitucional, Manassa Danioko, mostraram o atual chefe de Estado, Ibrahim Boubacar Keita, também conhecido por IBK, como o mais votado, com 41,70% dos votos.

Cissé, que reuniu 17,78% dos boletins válidos, contestou estes resultados, alegando que não eram "verdadeiros ou credíveis".

A oposição, que acusou o poder de utilizar o clima de insegurança no país para manipular as eleições, apresentou vários recursos contra os resultados da primeira volta, mas foram rejeitados pelo Tribunal Constitucional.

Os dois defrontam-se hoje à semelhança do que aconteceu nas eleições de 2013, que IBK venceu com mais de 77% dos votos.

O presidente cessante é o claro favorito, face a uma oposição cada vez mais dividida e que deixa Soumaila Cissé com menos hipóteses de vencer.

Dos 22 candidatos que participaram na primeira volta, vários se posicionaram a favor de IBK, enquanto outros se mantiveram neutros e declararam não apoiar nenhum dos dois candidatos da segunda ronda, como foi o caso de dois dos principais opositores neste escrutínio, que ocuparam o terceiro e o quarto posto na primeira ronda - o empresário Aliou Diallo, que obteve 8,03% dos votos, e o ex-primeiro-ministro Cheick Modibo Diarra (7,39%).

O país vive uma situação de insegurança e crise política desde o golpe de Estado militar de 2012, a que se seguiu uma rebelião independentista dos tuaregues no norte, apoiados por grupos jihadistas locais.

No ato eleitoral de hoje, que decorre entre as 08:00 e as 18:00 locais (entre as 09:00 e as 19:00 em Lisboa), a segurança será garantida por 36 mil militares, cerca de 20% mais que na primeira volta, a 29 de julho.

A comunidade internacional deverá seguir com atenção esta segunda ronda, mas o desfecho da votação deverá ter pouco efeito sobre os milhares de milhões de dólares de ajuda que Bamako recebe, de acordo com especialistas citados pela agência France-Presse.

Com cerca de cem observadores na primeira volta eleitoral, a União Europeia, o maior doador internacional do Mali, exigiu a publicação de resultados discriminados e pediu mais transparência na segunda ronda, bem como a garantia de acesso a todos os locais de votação -- a 29 de julho, cerca de 250 mil eleitores não conseguiram votar no centro e no norte do país.

A diplomacia maliana instou a UE a "não atrapalhar o processo eleitoral".

Entre as contribuições diretas da Comissão Europeia e as dos Estados-Membros, os 28 pagam anualmente ao Governo maliano, para o seu bom funcionamento, cerca de 400 milhões de euros, num total de projetos em curso superiores a dois mil milhões de euros.

Os EUA, por sua parte, anunciaram que vão reduzir drasticamente o apoio de cerca de 100 milhões de dólares (87,55 milhões de euros) entre 2017 e 2018, dos quais 81,5 milhões previstos para este ano, mas não precisaram qual será a verba nem os motivos para o corte.

Além da UE, o Banco Mundial, o Banco Africano de Desenvolvimento e o Canadá financiam diretamente o orçamento operacional do Governo do Mali, um dos países mais pobres do mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.