Polícia Federal descobre impressões digitais do assassino de Marielle Franco

Fragmentos são parciais e foram encontrados nas cápsulas da arma usada para matar a vereadora e o motorista Anderson Gomes, a 14 de março

Foi no passado dia 14 de março que a vereadora brasileira Marielle Franco foi assassinada a tiro, juntamente com o seu motorista, Anderson Gomes, quando seguiam de carro.

A Polícia Federal abriu uma investigação ao crime e conseguiu encontrar impressões digitais do autor do crime, depois de analisar nove cartuchos de balas usadas no atentado.

Segundo o jornal brasileiro O Globo, as impressões digitais encontradas são apenas fragmentos. Isso significa que, num primeiro momento, não podem ser comparadas com as armazenadas no banco de dados da polícia do Rio de Janeiro, nem com o arquivo Federal. Porém, podem ser confrontadas com as de um eventual suspeito.

"Elas são microscópicas, fragmentadas. Estamos a fazer tudo o que nos é possível para avançar com a investigação" - afirmou fonte da polícia ao O Globo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.