Podem os testes nucleares da Coreia do Norte acordar um vulcão?

A última erupção do monte Baekdusan foi em 1903, mas os cientistas alertam que a de 946 foi um dos eventos mais explosivos da história da humanidade

Um especialista em sismologia de Seul diz que os testes nucleares da Coreia do Norte podem acordar um vulcão adormecido, o monte Baekdusan, muito perto da fronteira entre os dois países.

Segundo Hong Tae-Kyung, "um teste nuclear subterrâneo perto de um vulcão ativo constitui uma ameaça direta ao vulcão", escreveu o professor da Universidade Yonsei, em Seul, num artigo publicado na última edição da Nature.

A equipa de Hong estudou os possíveis impactos de "hipotéticas explosões nucleares" da Coreia do Norte", tendo em conta que o local de testes da Coreia do Norte fica a 116 quilómetros do monte Baekdusan. E calcula que um sismo de magnitude 7 - como os que já foram registados depois de testes nucleares nos Estados Unidos - pode ser suficiente para criar a pressão suficiente para gerar uma erupção.

A última erupção da montanha foi em 1903, mas os cientistas alertam que a erupção do século X (em 946) foi um dos eventos mais explosivos da história da humanidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.