Pelo menos 200 imigrantes saltaram muro e entraram em Ceuta

Assalto ao muro fronteiriço com Marrocos ocorreu pelas 09:00 locais

Pelo menos 200 imigrantes subsaarianos conseguiram saltar o muro fronteiriço que separa Ceuta de Marrocos no dia em que se celebra a Páscoa muçulmana, tendo cinco elementos da guarda-civil ficado feridos quando tentavam evitar o assalto.

Segundo fontes da Guarda Civil, o assalto ao muro ocorreu por volta das 09:00 locais, quando os imigrantes conseguiram ter acesso à zona fronteira perto da Fazenda Berrocal, onde existe uma maior facilidade para chegar ao perímetro por haver pontos sem visibilidade.

Foi neste local que a 26 de julho 602 imigrantes conseguiram também entrar em Ceuta.

A Guarda Civil não conseguiu conter os imigrantes e cinco polícias ficaram feridos esta quarta-feira, segundo as mesmas fontes.

Uma vez em Ceuta, os subsaarianos continuaram em fuga, a caminho do Centro para a Permanência Temporária de Imigrantes (CETI), que ainda está lotado devido à última chegada maciça de imigrantes.

As ambulâncias da Cruz Vermelha, que estavam no local da oração que marca o início da Páscoa muçulmana, tiveram que deixar o local para se deslocarem ao CETI, onde assistiram vários subsaarianos com feridas, cortes e contusões.

Em menos de um mês, mais de 800 subsaarianos conseguiram entrar em Ceuta.

Um total de 1.426 migrantes, a maioria subsaarianos, conseguiu entrar ilegalmente em Ceuta desde janeiro, e quase metade (602) no assalto em massa ao fosso fronteiriço que ocorreu em julho.

Os números do Ministério do Interior de Espanha indicam que, de 01 de janeiro a 15 de julho, 824 imigrantes entraram em Ceuta, para além dos 602 que forçaram a entrada no enclave espanhol do norte de África, aumentando para 1.426 o número de pessoas que entraram na cidade situada na margem sul do Mediterrâneo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.