Pais de Melania tornam-se cidadãos americanos com lei que Trump critica

Os pais da primeira-dama aproveitaram uma lei da imigração que facilita a cidadania a quem tenha familiares nos Estados Unidos - uma lei muito criticada pelo genro, Donald Trump.

Viktor e Amalija Knavs, pais de Melania Trump, tornaram-se nesta quinta-feira cidadãos norte-americanos. "Correu tudo bem e eles estão muito gratos a desfrutar este momento com a família", afirmou Michael Wildes, o advogado do casal, que tratou de todo o processo.

Os Knavs apresentaram-se num departamento federal em Nova Iorque para assinar todos os papéis necessários numa cerimónia conduzida pelo diretor distrital do USCIS (Serviços de Imigração e Cidadania), Thomas Cioppa, e que não demorou mais do que 20 minutos. Nessas cerimónias, os estrangeiros devem pousar as mãos sobre o coração e prometer "lealdade à bandeira norte-americana e à nação que ela representa".

Os sogros de Donald Trump são da Eslovénia mas viviam nos Estados Unidos há alguns anos com um green card (cartão de residência permanente), que obtiveram muito provavelmente (não há a certeza) por serem familiares de Melania, afirma o jornal The New York Times.

O processo dos pais de Melania Trump tem sido bastante comentado uma vez que eles beneficiaram de uma lei que facilita a imigração de alguém que já tem familiares (cônjuge, pais, filhos e irmãos) que sejam cidadãos americanos. Essa é uma lei que o presidente Trump quer restringir, alegando que se trata de uma via aberta para os terroristas entrarem na América.

Trump quer que a lei se aplique apenas aos cônjuges e filhos menores de 18 anos. Os especialistas acreditam que esta alteração iria provocar uma quebra na imigração na ordem dos 40% a 50%.

"A imigração em cadeia [chain migration] tem de acabar agora", escreveu o presidente no Twitter em novembro. "Algumas pessoas vêm e trazem a família toda com eles, e podem ser pessoas verdadeiramente más. Isso não é aceitável."

De acordo com a legislação, os estrangeiros que queiram pedir cidadania precisam de ter residência permanente no país durante pelo menos cinco anos, além de terem de provar que têm conhecimentos sobre a história e os costumes dos EUA. Normalmente, um pedido de cidadania na cidade de Nova Iorque demora entre 11 e 21 meses a ser processada. O advogado do casal não quis dar pormenores sobre o processo, mas garante que eles cumpriam o requisito dos cinco anos.

Viktor e Amalija Knavs, de 73 e 71 anos, respetivamente, viviam em Svenica, uma cidade da Eslovénica com cerca de 4500 pessoas. Ele era vendedor de carros e pertencia ao Partido Comunista. Ela trabalhava numa fábrica têxtil. Melania Trump nasceu em 1970. Na juventude iniciou uma carreira de modelo. Mudou-se para os EUA e em 2001 conseguiu um visto Einstein, como é geralmente chamado por ser atribuído a pessoas com "capacidades extraordinárias". Só depois de se casar com Donald Trump é que, em 2006, se tornou cidadã americana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.