Os incêndios mais mortíferos de que há memória

A tragédia de Pedrógão está entre as 20 que causaram mais vítimas. Mas há dois fogos florestais que causaram milhares de mortos.

Com pelo menos 74 mortos confirmados, até agora, os incêndios da região da Ática, na Grécia, nas últimas horas, são um dos 20 piores registos de sempre de mortalidade neste tipo de desastres naturais. No ano passado, em Pedrógão Grande, Portugal, 64 pessoas morreram - um dos 16 fogos que mais vítimas causaram desde o século XIX. O Sul da Europa, a Rússia, os EUA, a China e a Austrália sofreram os incêndios mais devastadores

Grécia, 2007

Um conjunto de incêndios devastou mais de 250 mil hectares em várias regiões gregas. 77 pessoas morreram

Austrália, 2009

No estado de Victoria, um incêndio que demorou mais de uma semana até ser controlado, destruiu mais de duas mil casas, em várias localidades. Morreram, pelo menos, 173 pessoas.

Rússia, 2010

Num dos mais quentes verões de sempre, na Rússia, os incêndios florestais mataram 60 pessoas, no final de julho.

China e Rússia, 1987

Mais de 200 pessoas morreram neste incêndio que atingiu a zona fronteiriça da Rússia e da China. Chamaram-lhe o "Incêndio do Dragão Negro". Matou mais de 200 pessoas.

França, 1949

Durante quatro dias, em Landes, foram queimados mais de 50 mil hectares. Morreram 82 pessoas.

EUA, 1871

Em outubro de 1871 o Winsconsin viveu aquele que terá sido o mais mortífero incêndio de sempre - desde que há registos. O "Peshtigo Firemost" matou, pelo menos 1200 pessoas, embora alguns registos apontem para dois mil mortos.

[notícia atualizada às 16.50 com o mais recente balanço de vítimas]

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."