Campos Elísios transformados num estaleiro

No dia seguinte ao 18º sábado de protestos dos "coletes amarelos", a avenida de Paris onde moram as marcas de luxo é um imenso estaleiro de limpeza e obras. Michèle viu o seu quiosque destruído: "Estão a destruir empregos."

Na manhã deste domingo, parisienses e turistas acordaram para uma Avenida dos Campos Elísios transformada num estaleiro, depois do 18º sábado de protestos do movimento dos "coletes amarelos" nas ruas de Paris, França.

Operários, máquinas, fumo e cheiro a queimado, barulho de martelos pneumáticos e gruas em movimento confundem-se na avenida onde moram as principais marcas de luxo, de roupa, calçado e malas, joias, perfumes, de equipamento desportivo, nomeadamente a loja do Paris Saint-Germain, e os hotéis e restaurantes mais caros.

Em frente ao Le Fouquet's, o restaurante onde Emmanuel Macron gostava de se reunir com a sua equipa na campanha que o levou ao Eliseu e cuja esplanada foi completamente destruída, Michèle Peterllin, 71 anos, é a imagem da desilusão. Há 30 anos que explora o quiosque de jornais defronte do restaurante, agora transformado numa amálgama de cinzas e destroços.

"As pessoas podem manifestar-se mas não assim. Não estão a manifestar-se pelos seus direitos e de outros. Estão a destruir empregos de muitas pessoas, trabalhadores como eles", lamenta à reportagem do DN. "Neste momento, sinto raiva, é raiva por quem fez isto. Estão destruir as coisas para simples prazer dos próprios."

Michèle soube pela televisão que o seu quiosque tinha ardido. Logo pela manhã percebeu que estes protestos seriam mais complicados que os das últimas semanas, em que o movimento dos "coletes amarelos" tinha perdido força. E não saiu de frente do televisor até que se confirmou o pior.

Foi o 18º sábado de manifestações, que se seguiu ao encerramento pelo Presidente da República do que o prórpio Emmanuel Macron chamou de Grande Debate Nacional.

Macron e a sua equipa ainda visitaram os principais locais destruídos na avenida, durante a noite, depois de ter sido obrigado a interromper um fim de semana numa estância de esqui. Os parisienses, mesmo aqueles que estão contra os "coletes amarelos", não gostaram que o chefe do Estado tivesse saído da capital no dia em que se previa um recrudescimento dos protestos.

Michèle tem sido apoiada pelas autoridades, recebendo ainda a solidariedade de pessoas anónimas e celebridades. Este domingo de manhã, o responsável da empresa que explora quiosques em Paris, a MegaKiosk, esteve com Michèle para perceber o que se pode fazer. Nada se aproveita dos destroços do quiosque, constata. Uma dezena de quiosques foram destruídos ao longo da avenida.

Muitas pessoas param a ouvir as entrevistas dos jornalistas e essas entrevistas geram debates espontâneos. Há quem justifique e fale dos direitos das pessoas que protestam, outros contrapõem que estão a destruir os trabalhos de pessoas que vivem pior ou com as mesmas dificuldades que os que se manifestam.

"Eu tenho seguro, mas não é isso que me resolve o problema. Primeiro vão ter que avaliar os estragos, depois vão dizer-me o que vão pagar e só depois virá o dinheiro. Trabalho com mais três empregados, sete dias por semana. É o nosso emprego que está em perigo", conta Michèle ao DN. "Vou continuar a vir todos os dias, são 30 anos de trabalho."

em Paris

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.