Opositor russo em greve de fome na prisão é hospitalizado

Sergei Oudaltsov foi condenado a 30 dias de prisão por queimar retratos de líderes russos

O opositor da extrema-esquerda russa Sergei Oudaltsov, que começou uma greve de fome na prisão após receber uma pena de 30 dias, foi hospitalizado, declarou este domingo um ativista russo dos direitos humanos.

Oudaltsov, que foi condenado por queimar retratos de líderes russos durante um protesto contra o aumento da idade de reforma, "foi hospitalizado por razões médicas", disse o ativista dos direitos humanos Ivan Melnikov, citado pela agência oficial da TASS.

"Um médico mediu a sua tensão na nossa presença, fez uma análise de sangue (...) e decidiu hospitalizá-lo de urgência", disse Melnikov, membro de uma comissão pública de monitorização das prisões públicas, que conseguiu visitar o opositor hoje na prisão.

"Foi imediatamente levado numa ambulância", acrescentou Melnikov.

Sergei Oudaltsov, que já havia estado preso de 2012 a 2016 após manifestações contra o Presidente russo, Vladimir Putin, foi detido nesta terça-feira, julgado e sentenciado a 30 dias de prisão.

O opositor, que descreveu o processo contra si como "arbitrário", entrou imediatamente em greve de fome, recusando-se a comer e a beber.

Os factos que motivaram a sua prisão remontam a 28 de julho, quando dezenas de milhares de russos se manifestaram em toda a Rússia a pedido do Partido Comunista contra um plano para aumentar a idade da reforma.

Sergei Oudaltsov foi libertado em agosto de 2017, após cumprir quatro anos e meio de prisão por ter alegadamente provocado "distúrbios em massa" nos protestos de 06 de maio de 2012, na véspera da posse de Vladimir Putin no seu terceiro mandato presidencial.

O partido do opositor, a Frente de Esquerda, tem encontrado dificuldades para ser ouvido pelos outros partidos da oposição nos últimos anos.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.