Oito republicanos contra Donald Trump no 'shutdown'

Congressistas votaram a favor da reabertura de uma secção do governo, esta quarta-feira, depois de 18 dias de paralisação parcial.

Oito congressistas republicanos colocaram-se do lado dos democratas contra Donald Trump. Desafiando o pedido do presidente dos EUA, votaram a favor de um projeto de lei dos democratas para reabrir o Departamento do Tesouro. No entanto, a paralisação parcial do governo continua, com Trump a opor-se a qualquer legislação que não inclua o financiamento para a construção de um muro na fronteira com o México.

De acordo com o Washington Post , a Câmara aprovou esta quarta-feira um projeto de lei que reabriria o Departamento do Tesouro e garantiria que o IRS continuava a ser financiado. A medida foi aprovada, contando com oito votos dos republicanos a favor.

Este projeto faz parte de uma tentativa de os democratas pressionarem Donald Trump para acabar com o 'shutdown' do governo dos EUA.

A votação aconteceu depois de o presidente dos EUA ter abandonado uma reunião com a líder da minoria do Senado Chuck Schumer (Nova Iorque) e presidente da Câmara Nancy Pelosi (Califórnia), classificando-a de "total perda de tempo".

"Perguntei o que vai acontecer em 30 dias se eu desbloquear as contas rapidamente, você vai aprovar a Segurança de Fronteira, que inclui um muro ou barreiras de aço? Nancy disse NÃO. Eu disse tchau, nada funciona!", escreveu Donald Trump no Twitter.

No final da comunicação televisiva de Trump desde a Casa Branca, na noite de terça-feira (madrugada de hoje em Lisboa) - para explicar a razão por que não assinará qualquer orçamento até o Congresso aprovar o financiamento para a construção de um muro na fronteira com o México - muitos representantes democratas repetiram que não farão cedências, enquanto alguns republicanos ameaçaram deixar de apoiar o presidente.

Donald Trump dirigiu-se à nação num discurso televisionado feito pela primeira vez a partir da Sala Oval, na Casa Branca, e responsabilizou os democratas pela paralisação parcial do Governo (que dura há 18 dias) pela inexistência de um acordo no Congresso para financiar o muro.

O problema principal de Trump, na questão do 'shutdown', é não ceder na exigência ao Congresso para aprovar uma verba de 5,6 mil milhões de dólares (cerca de cinco mil milhões de euros) para a construção do muro, que fora uma das suas mais emblemáticas promessas na campanha presidencial de 2016.

Nas últimas semanas, vários líderes Republicanos e diversos comentadores políticos próximos do partido têm pressionado Trump a não ceder nessa questão, referindo que o Presidente perde margem de manobra para uma eventual reeleição se não cumprir essa promessa.

Mas no Partido Republicano cresce o desconforto com o prolongamento da paralisação do governo que, se chegar ao próximo fim de semana, se tornará a mais longa da história dos EUA (o recorde foi de 21 dias, em 1995, na Presidência de Bill Clinton).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.