Oficial. Haddad substitui Lula como candidato do PT às presidenciais do Brasil

O ex-presidente desiste das eleições e o seu vice-presidente é eleito por unanimidade

Fernando Haddad, de 55 anos, é o candidato do Partido Trabalhista (PT) às eleições presidenciais do Brasil que se realizam a 7 de outubro. A direção do PT aprovou por unanimidade o nome daquele que era indicado como candidato a vice-presidente, que assim substitui o ex-presidente Lula da Silva como cabeça de lista.

Lula retirou-se da corrida eleitoral depois de o Tribunal Eleitoral ter proibido a sua candidatura, na sequência de uma votação realizada no passado dia 31 de agosto, e ter dado dez dias para que o PT anunciasse o seu substituto.

Numa carta enviada à comissão executiva do PT, o ex-presidente mostrou-se indignado com essa decisão de o impedir de ir às urnas, mas sublinhou a importância de dar continuidade ao seu projeto político.

Refira-se que o impedimento de Lula surge na sequência da condenação de que foi alvo em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Curiosamente, Haddad está também acusado de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro na Operação Lava-Jato, no qual também está envolvido Lula da Silva. O candidato agora lançado pelo PT foi pronunciado a 4 de setembro pelo Ministério Público.

Fernando Haddad foi autarca de São Paulo entre 2013 e 2017, além de ter sido ministro da Educação do Brasil entre julho de 2005 e janeiro de 2012.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.