Haddad é acusado de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro

Ministério Público baseia a denúncia numa transferência não declarada de uma construtora envolvida na Lava-Jato para o substituto de Lula da Silva na corrida à presidência. Assessoria do candidato estranha narrativa e timing

Fernando Haddad, do PT, foi denunciado pelo Ministério Público pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, a propósito de uma investigação que envolve a UTC Engenharia, empresa de construção envolvida na Operação Lava-Jato. Segundo a promotoria, Ricardo Pessoa, dono da construtora, teria transferido em 2012 sem declarar 2,6 milhões de reais (cerca de 560 mil euros), para a campanha do então candidato a prefeito de São Paulo.

"Prefeito da cidade de São Paulo (...) solicitou e recebeu indiretamente vantagem indevida de 2,6 milhões de reais; depois, agiu por interpostas pessoas de forma a dissimular a natureza, a origem, a localização e a movimentação dos valores", diz trecho da denúncia citada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Além de Haddad e Pessoa, o ex-tesoureiro do PT Vaccari Neto, o diretor financeiro da UTC Walmir Pinheiro, o intermediário Alberto Youssef e o ex-deputado estadual do PT Francisco de Souza foram também denunciados. Souza, de acordo com o ministério público, era dono de empresas do setor gráfico destinatárias das verbas.

A assessoria de Haddad já havia dito que demonstrara com documentos que "todo o material gráfico produzido em sua campanha a prefeito em 2012 foi declarado e que não havia razão para receber qualquer recurso não declarado da UTC".

Agora, perante esta denúncia, os assessores do ex-prefeito acrescentaram que "surpreende que, no período eleitoral, uma narrativa do empresário Ricardo Pessoa, sem qualquer prova, fundamente três ações do ministério público contra Haddad". "É notório que o empresário em causa já teve a sua delação rejeitada em quase uma dezena de casos e que ele conta suas histórias de acordo com seus interesses; também é de conhecimento público que, na condição de prefeito, Haddad contrariou no segundo mês do seu mandato o principal interesse da UTC na cidade: a obra confessadamente sobrefaturada do túnel da avenida Roberto Marinho".

Haddad é o atual candidato a vice-presidente da República pelo PT, na lista encabeçada por Lula da Silva. Mas como o antigo presidente não pode concorrer por determinação do Tribunal Superior Eleitoral, o ex-prefeito paulistano deve ser anunciado em breve como o pretendente do partido ao Palácio do Planalto.

em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.