Novo apagão deixa sem luz grande parte da Venezuela

As falhas no fornecimento de eletricidade são cada vez mais frequentes e prolongadas no país.

Grande parte da Venezuela, incluindo a capital, Caracas, está desde a tarde de hoje às escuras devido a uma nova falha no sistema elétrico, sem que a elétrica estatal, Corpoelec, tenha dado qualquer explicação.

Desde as 16:40 locais (mais cinco horas em Lisboa), pelo menos metade dos 24 estados federais da Venezuela foram afetados pelo apagão, comum em algumas regiões, enquanto em Caracas jornalistas da agência noticiosa Efe constataram que o serviço do Metropolitano foi suspenso, obrigando milhares de passageiros a prosseguir a pé.

Em 26 de abril, uma outra falha elétrica mergulhou 12 dos 24 estados venezuelanos na escuridão, total ou parcial, com a imprensa local a noticiar interrupções no abastecimento de energia nos estados de Zúlia, Carabobo, Miranda, Arágua, Monágas, Falcón, Anzoátegui, Táchira, Sucre, Lara, Barinas e Mérida.

Na Venezuela são cada vez mais frequentes e prolongadas as falhas no fornecimento de eletricidade: em 07 de março último, uma falha na barragem de El Guri deixou o país às escuras durante uma semana.

Em 25 de março, verificou-se um novo apagão, que afetou pelo menos 18 dos 24 estados, incluindo Caracas, que estiveram às escuras, total ou parcialmente, pelo menos durante 72 horas.

Quatro dias depois, pelo menos 21 estados ficaram sem eletricidade durante 24 horas.

Em 01 de abril, a Venezuela ativou um programa de racionamento de eletricidade que, segundo o ministro de Energia Elétrica, Igor Gavidia, poderia "prolongar-se por um ano".

Como parte do racionamento, algumas regiões têm apenas 12 horas de eletricidade ao dia.

Devido aos apagões, as atividades laborais diárias realizam-se em horário reduzido, até às 14:00 (hora local), e as educativas até às 12:00.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.