Notre-Dame: por que não se pode usar grande quantidade de água para combater este incêndio?

Cerca de 400 bombeiros foram mobilizados para apagar as chamas na catedral de Paris.

Deixar cair grande quantidade de água sobre as chamas que lavram na Catedral de Notre-Dame não é uma opção. A força da água lançada de um avião Canadair, por exemplo, poderia provocar danos irreparáveis, segundo o ​​​​​​Le Monde.

"Poderia provocar a derrocada integral da estrutura", acrescenta o Le Figaro, citando a Direção da Segurança Civil.

O incêndio começou cerca das 18.50 francesas (uma hora menos em Portugal continental) e têm sido muitos os que se têm perguntado por que tem demorado a resposta e por que não foram mobilizados meios aéreos no seu combate. O próprio presidente dos Estados Unidos lançou essa hipótese no Twitter. "Talvez aviões cisterna pudessem ser usados para apagar", escreveu Donall Trump.

A hipótese, porém, não era viável, segundo as autoridades francesas. Um avião como os Canadair lança seis toneladas de água a grande velocidade. Existe o perigo de ferir as pessoas nas imediações da catedral e, por esta mesma razão, o uso de meios aéreos não é comum em incêndios urbanos.

A decisão última cabe sempre aos bombeiros, e neste caso, como refere o Le Monde, o responsável último por qualquer estrago seria sempre o piloto do avião.

Pedra poderia absorver a humidade

Por outro lado, a água poderia, aliás, causar uma catástrofe ainda maior do que o fogo, disse ao El Pais Ribero Blanco, subdiretor do Instituto do Património de Espanha.

A pedra pode absorver a humidade, o que aumenta o peso e poderia fazer o ruir o conjunto, disse o mesmo especialista lembrando o caso da Catedral de León, que ardeu em 1966. "O canteiro chamou a atenção, evitou-se molhar a pedra e a catedral salvou-se".

"É preferível deixar arder a madeira e a ardósia", notou Ribera Blanco, explicando que a pedra absorve a humidade, aumenta o peso e podia fazer ruir a catedral.

400 bombeiros mobilizados

Cerca de 400 bombeiros foram mobilizados no combate ao fogo.

"A largada de água por avião sobre este tipo de edifícios poderia, com efeito, contribuir para a derrocada integral da estrutura", disse, via Twitter, a Sécurité Civile.

As chamas lavram há três horas e o pináculo ruiu.

É um "fogo difícil", disseram os bombeiros à AFP.

.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.