Nick Cave recorda o filho que morreu em resposta a uma fã

Através de uma plataforma onde comunica com os fãs, o vocalista respondeu a uma admiradora que lhe perguntou se Nick ainda sentia a presença do seu filho, que morreu com 15 anos.

"Sinto a presença do meu filho, por todo o lado". Foi assim que Nick Cave começou aquela que foi a resposta a uma carta de uma fã, que lhe confessou ainda sentir presentes membros da família que já morreram. Numa carta emotiva, o cantor australiano recorda a perda do seu filho, Arthur, que morreu aos 15 anos, em 2015, depois de cair de uma ravina no Reino Unido.

Na carta enviada ao artista, a admiradora lançou-lhe a questão: "Tu e a Susie (mulher de Nick) ainda sentem que o Arthur está convosco e comunica com vocês de alguma maneira?". Do outro lado, resposta foi afirmativa e tornada, entretanto, pública. A resposta do vocalista da banda Nick Cave and The Bad Seeds foi publicada na semana passada no site The Red Hand Files, através do qual comunica com os fãs.

"Parece-me que se amamos, sofremos. É esse o pacto. O amor e o luto estarão para sempre ligados", começou por partilhar. "O luto é o lembrete terrível das profundezas do nosso amor e, tal como este, não é negociável".

Cave rende-se à partilha que faz com os fãs, tentando explicar a dor e o luto. O artista de rock diz sermos todos "grupos de minúsculos átomos a estremecer, integrados na presença fenomenal do luto". "Ocupa o núcleo do nosso ser e estende-se dos nossos dedos até aos limites do universo. Dentro desse giro existem todo o tipo de loucuras: fantasmas, espíritos, sonhos, tudo o que na nossa angústia desejarmos existir", relatou.

O vocalista termina a carta com um conselho à fã que lhe escreveu: "Cria os teus espíritos, chama-os, fá-los existir, fala com eles. São as suas mãos impossíveis e fantasmagóricas que nos levam de volta ao mundo do qual nos afastámos, melhores e mudados", concluiu.

Também em setembro, a banda do artista fez o luto pela perda do colega e pianista Conway ​​​​​​​Savage, que morreu aos 58 anos.

Exclusivos