Na poltrona de Churchill: a última "humilhação" de Trump

Os críticos de Donald Trump viram na pose do presidente norte-americano, sentado na poltrona de Churchill, mais uma afronta aos valores britânicos e à relação especial entre Reino Unido e EUA.

"O presidente sentado na poltrona de Winston Churchill como convidado da primeira-ministra em Chequers".

A legenda da foto publicada pela secretária de imprensa de Donald Trump, Sarah Sanders, não caiu bem entre alguns britânicos.

O Daily Mirror foi quem expressou de forma mais direta o desagrado com o gesto do norte-americano. "Como se atreve?", titula o tabloide.

"Insulta o nosso país, ataca o serviço nacional de saúde, envergonha a nossa rainha, sabota a nossa "relação especial", humilha a nossa primeira-ministra... e depois posa de forma presunçosa na poltrona de Winston Churchill", lê-se ainda na manchete do diário.

A deputada trabalhista Ruth Smeeth disse ao Mirror: "Churchill corporizou o melhor do espírito britânico quando estávamos a lutar e a derrotar racistas e fascistas durante a Segunda Guerra Mundial. Dadas as terríveis ações e a retórica de Trump, ele nem sequer merece olhar para uma estátua de Churchill, muito menos sentar-se no seu lugar."

A visita de trabalho de Donald Trump foi agendada de forma a que pudesse visitar o palácio de Blenheim, local de nascimento de Churchill.
O palácio acolhe uma exposição biográfica permanente de Churchill. A mostra foi visitada por Trump antes de ter jantado com Theresa May na quinta-feira.

O presidente dos EUA é um admirador do homem que foi primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra.
Quando assumiu funções, além de ter redecorado os gabinetes presidenciais, Trump voltou a colocar um busto de Churchill na Sala Oval. O busto havia sido retirado por ordem de Barack Obama.

Exclusivos