José Eduardo dos Santos vai dedicar-se às causas sociais

A afirmação foi feita pelo antigo presidente do MPLA à saída do congresso, onde João Lourenço foi eleito o novo líder do partido

O antigo presidente do MPLA e da República de Angola José Eduardo dos Santos indicou que, agora que deixou a política ativa, vai dedicar-se a causas sociais e disse que as suas memórias já foram escritas por outras pessoas.

Estas foram as únicas palavras de Eduardo dos Santos aos jornalistas, que o questionaram quando abandonava, no sábado à noite, o Centro de Conferências de Belas, em Luanda, onde cedeu a liderança do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) a João Lourenço durante os trabalhos do VI Congresso Extraordinário do partido.

José Eduardo dos Santos, patrono da fundação homónima - Fundação Eduardo dos Santos (FESA) - nada mais adiantou sobre o seu futuro, depois de ter participado num congresso pela última vez como Presidente do MPLA e quase um ano após ter deixado a Presidência angolana, pondo fim a cerca de 40 anos de política ativa.

As palavras de Eduardo dos Santos quanto às suas memórias estarem já escritas mas por outras pessoas são ambíguas, uma vez que não esclareceu se, de facto, já estão concluídas ou se, ironia, não vale a pena escrevê-las, porque alguém o tem feito fora da esfera oficiais.

O MPLA passa a contar, assim, oficialmente, na sua história, com cinco presidentes, nomeadamente Ilídio Machado, Mário Pinto de Andrade, Agostinho Neto, José Eduardo dos Santos e, doravante, João Lourenço, também chefe de Estado.

Ilídio Tomé Alves Machado foi o primeiro presidente do MPLA, até ser preso, em 1959, por atividades subversivas contra o regime português da altura.

Mário Pinto de Andrade tornou-se ativista político e exerceu o cargo de presidente do MPLA, entre 1959 e 1962, e o de secretário-geral entre 1962 e 1972.

Agostinho Neto foi presidente honorário do partido desde 1961, tendo assumido a liderança efetiva do MPLA em 1963, em Kinshasa, capital do então Zaire, hoje República Democrática do Congo (RDC).

Neto presidiu o MPLA até à sua morte, em setembro de 1979, mês em que José Eduardo dos Santos assumiu a liderança, que terminou no sábado.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.