José Eduardo dos Santos assume erros mas sai de "cabeça erguida"

"Deixo-vos o meu modesto legado, para que continuem a trilhar os caminhos das nossas figuras", afirmou, por entre vários momentos de palmas dos delegados.

O presidente cessante do MPLA, José Eduardo dos Santos, despediu-se hoje, em Luanda, das funções, assumindo que cometeu erros ao longo dos quase 40 anos no poder em Angola, mas garantindo que sai de "cabeça erguida".

"Não existe, naturalmente, qualquer atividade humana isenta de erros e assumo que também os cometi, pois só deste modo os podemos ultrapassar", disse o também ex-chefe de Estado angolano (1979-2017), no discurso de abertura do sexto congresso extraordinário do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), convocado para eleger João Lourenço como novo líder do partido.

"Esta é a minha última intervenção na qualidade de presidente do MPLA", começou por afirmar, recordando que assumiu aquele cargo em 21 setembro de 1979, após a morte do então presidente e chefe de Estado, António Agostinho Neto.

"É de cabeça erguida que estou neste grande conclave do nosso partido", disse ainda, ao dirigir-se aos mais de 2.000 delegados, ao mesmo tempo que se assumiu "pronto para passar a liderança do partido ao próximo presidente", mas sem referir o nome de João Lourenço, vice-presidente e chefe de Estado, que será eleito hoje líder do MPLA.

"Deixo-vos o meu modesto legado, para que continuem a trilhar os caminhos das nossas figuras", afirmou, por entre vários momentos de palmas dos delegados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...