José Eduardo dos Santos assume erros mas sai de "cabeça erguida"

"Deixo-vos o meu modesto legado, para que continuem a trilhar os caminhos das nossas figuras", afirmou, por entre vários momentos de palmas dos delegados.

O presidente cessante do MPLA, José Eduardo dos Santos, despediu-se hoje, em Luanda, das funções, assumindo que cometeu erros ao longo dos quase 40 anos no poder em Angola, mas garantindo que sai de "cabeça erguida".

"Não existe, naturalmente, qualquer atividade humana isenta de erros e assumo que também os cometi, pois só deste modo os podemos ultrapassar", disse o também ex-chefe de Estado angolano (1979-2017), no discurso de abertura do sexto congresso extraordinário do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), convocado para eleger João Lourenço como novo líder do partido.

"Esta é a minha última intervenção na qualidade de presidente do MPLA", começou por afirmar, recordando que assumiu aquele cargo em 21 setembro de 1979, após a morte do então presidente e chefe de Estado, António Agostinho Neto.

"É de cabeça erguida que estou neste grande conclave do nosso partido", disse ainda, ao dirigir-se aos mais de 2.000 delegados, ao mesmo tempo que se assumiu "pronto para passar a liderança do partido ao próximo presidente", mas sem referir o nome de João Lourenço, vice-presidente e chefe de Estado, que será eleito hoje líder do MPLA.

"Deixo-vos o meu modesto legado, para que continuem a trilhar os caminhos das nossas figuras", afirmou, por entre vários momentos de palmas dos delegados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.