Membro do governo britânico demite-se por chegar dois minutos atrasado ao parlamento

Michael Bates, secretário de Estado, surpreendeu a Câmara dos Lordes ao anunciar a demissão por ter falhado o início de uma sessão de perguntas e respostas

Um secretário de Estado do governo britânico provocou estupefação geral na Câmara dos Lordes ao demitir-se por ter chegado um par de minutos atrasado ao início da sessão em que deveria responder a perguntas colocadas ao Executivo.

Michael Bates, secretário de Estado do Departamento para o Desenvolvimento Internacional desde 2016, confessou-se "envergonhado" por não estar no lugar à hora marcada e informou que iria pedir a demissão, saindo da sala enquanto se ouviam gritos de "não" dos outros presentes na sessão, conta o The Guardian.

Foi um dos pedidos de demissão mais dramáticos dos últimos anos, assinala o jornal britânico. Bates, que faz parte da Câmara dos Lordes desde 2008, levantou-se e saiu depois de dirigir um pedido de desculpas a Ruth Lister, dos trabalhistas.

"Quero pedir as mais sinceras desculpas à baronesa Lister pela minha descortesia ao não estar no meu lugar para responder à pergunta dela sobre um assunto muito importante no início da sessão", disse Bates. "Sempre acreditei que nos devemos reger pelos mais altos padrões de cortesia e respeito quando respondemos em nome do governo às questões legítimas da legislatura. Estou envergonhado por não ter estado no meu lugar e portanto vou entregar a minha demissão à primeira-ministra com efeitos imediatos. Lamento", concluiu o secretário de Estado. Nesta altura, pegou nas pastas que transportava com documentos, pô-las debaixo do braço, levantou-se e saiu, enquanto se ouviam gritos de protesto.

Ruth Lister disse ao Guardian que já escrevera uma nota a Bates pedindo-lhe que reconsiderasse a demissão, que o Executivo britânico não aceitou.

Bates deveria ter começado a responder a questões na quarta-feira, pelas 15:00, mas chegou dois minutos atrasado e por isso perdeu uma pergunta sobre desigualdade de rendimentos. Na ausência do secretário de Estado, a resposta foi dada por John Taylor, líder da bancada dos trabalhistas.

Um porta-voz de Downing Street referiu: "com a sinceridade que lhe é típica, o Lorde Bates ofereceu a sua demissão depois de faltar ao início de uma sessão de perguntas na Câmara dos Lordes, mas a resignação foi recusada por ser considerada desnecessária".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.