Membro do governo britânico demite-se por chegar dois minutos atrasado ao parlamento

Michael Bates, secretário de Estado, surpreendeu a Câmara dos Lordes ao anunciar a demissão por ter falhado o início de uma sessão de perguntas e respostas

Um secretário de Estado do governo britânico provocou estupefação geral na Câmara dos Lordes ao demitir-se por ter chegado um par de minutos atrasado ao início da sessão em que deveria responder a perguntas colocadas ao Executivo.

Michael Bates, secretário de Estado do Departamento para o Desenvolvimento Internacional desde 2016, confessou-se "envergonhado" por não estar no lugar à hora marcada e informou que iria pedir a demissão, saindo da sala enquanto se ouviam gritos de "não" dos outros presentes na sessão, conta o The Guardian.

Foi um dos pedidos de demissão mais dramáticos dos últimos anos, assinala o jornal britânico. Bates, que faz parte da Câmara dos Lordes desde 2008, levantou-se e saiu depois de dirigir um pedido de desculpas a Ruth Lister, dos trabalhistas.

"Quero pedir as mais sinceras desculpas à baronesa Lister pela minha descortesia ao não estar no meu lugar para responder à pergunta dela sobre um assunto muito importante no início da sessão", disse Bates. "Sempre acreditei que nos devemos reger pelos mais altos padrões de cortesia e respeito quando respondemos em nome do governo às questões legítimas da legislatura. Estou envergonhado por não ter estado no meu lugar e portanto vou entregar a minha demissão à primeira-ministra com efeitos imediatos. Lamento", concluiu o secretário de Estado. Nesta altura, pegou nas pastas que transportava com documentos, pô-las debaixo do braço, levantou-se e saiu, enquanto se ouviam gritos de protesto.

Ruth Lister disse ao Guardian que já escrevera uma nota a Bates pedindo-lhe que reconsiderasse a demissão, que o Executivo britânico não aceitou.

Bates deveria ter começado a responder a questões na quarta-feira, pelas 15:00, mas chegou dois minutos atrasado e por isso perdeu uma pergunta sobre desigualdade de rendimentos. Na ausência do secretário de Estado, a resposta foi dada por John Taylor, líder da bancada dos trabalhistas.

Um porta-voz de Downing Street referiu: "com a sinceridade que lhe é típica, o Lorde Bates ofereceu a sua demissão depois de faltar ao início de uma sessão de perguntas na Câmara dos Lordes, mas a resignação foi recusada por ser considerada desnecessária".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.