Membro da banda russa Pussy Riot internado. Há suspeitas de envenenamento

Nikulshina disse que Verzilov está a ser tratado na unidade de toxicologia de um hospital da capital russa

Um dos ativistas da banda russa Pussy Riot foi hospitalizada em estado grave devido a um possível envenenamento, noticiaram órgãos de comunicação russos.

A rádio Ekho Moskvy e o portal de notícias digital Meduza relataram na quarta-feira que Pyotr Verzilov está a receber assistência desde o dia anterior.

Estes órgãos citam outro elemento da banda de punk, Veronika Nikulshina, que diz que os sintomas do seu companheiro das Pussy Riot incluem a perda de visão e da capacidade de falar.

Nikulshina disse que Verzilov está a ser tratado na unidade de toxicologia de um hospital da capital russa, Moscovo, o que indicia um eventual envenenamento.

Verzilov, Nikulshina e duas outras ativistas estiveram detidas durante 15 dias por perturbarem a final do campeonato mundial de futebol, que decorreu na Rússia, em julho.

As jovens, vestidas com uniformes da polícia, correram para o campo, interrompendo por momentos o jogo entre as seleções da França e da Croácia.

As Pussy Riot disseram que estavam a protestar contra os abusos cometidos pelas forças policiais na Rússia.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.