Membro da banda russa Pussy Riot internado. Há suspeitas de envenenamento

Nikulshina disse que Verzilov está a ser tratado na unidade de toxicologia de um hospital da capital russa

Um dos ativistas da banda russa Pussy Riot foi hospitalizada em estado grave devido a um possível envenenamento, noticiaram órgãos de comunicação russos.

A rádio Ekho Moskvy e o portal de notícias digital Meduza relataram na quarta-feira que Pyotr Verzilov está a receber assistência desde o dia anterior.

Estes órgãos citam outro elemento da banda de punk, Veronika Nikulshina, que diz que os sintomas do seu companheiro das Pussy Riot incluem a perda de visão e da capacidade de falar.

Nikulshina disse que Verzilov está a ser tratado na unidade de toxicologia de um hospital da capital russa, Moscovo, o que indicia um eventual envenenamento.

Verzilov, Nikulshina e duas outras ativistas estiveram detidas durante 15 dias por perturbarem a final do campeonato mundial de futebol, que decorreu na Rússia, em julho.

As jovens, vestidas com uniformes da polícia, correram para o campo, interrompendo por momentos o jogo entre as seleções da França e da Croácia.

As Pussy Riot disseram que estavam a protestar contra os abusos cometidos pelas forças policiais na Rússia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.