Marcas de roupa e calçado suspenderam compras de couro do Brasil

Pelo menos 18 marcas de roupas e calçados internacionais solicitaram a suspensão de compras de couro do Brasil por causa das queimadas na Amazónia, segundo informações veiculadas hoje pela imprensa local.

O anúncio sobre o cancelamento dos pedidos foi feita pelo Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), associação que representa produtoras de couro, numa carta enviada ao ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles na última terça-feira.

Na carta, o presidente executivo do CICB, Fernando Bello, disse que recebeu com muita preocupação o comunicado de suspensão de compras de couros a partir do Brasil de alguns dos principais importadores mundiais.

"Este cancelamento foi justificado em função de notícias, relacionando queimadas na região amazónica ao agronegócio do país. Para uma nação que exporta mais de 80% de sua produção de couros, chegando a gerar 2 mil milhões de dólares [1,8 mil milhões de euros] em vendas ao mercado externo em um único ano, trata-se de uma informação devastadora", escreveu o presidente do CICB.

Na carta, foram citadas as marcas Timberland, Dickies, Kipling, Vans, Kodiak, Terra, Walls, Workrite, Eagle Creek, Eastpack, JanSport, The North Face, Napapijri, Bulwark, Altra, Icebreaker, Smartwoll e Horace Small.

Os produtores de couro, porém, mostraram-se alinhados com o discurso do executivo e sustentam que há, no mercado mundial, "uma interpretação errónea do comércio e da política internacionais acerca do que realmente ocorre no Brasil e o trabalho do Governo e da iniciativa privada com as melhores práticas em manejo, gestão e sustentabilidade".

A carta conclui, pedindo ao Ministério do Meio Ambiente brasileiro uma atenção especial à situação do setor e que seja feita uma "contenção de danos à imagem do país no mercado externo".

Os incêndios registados na Amazónia mobilizaram a opinião pública mundial sobre a aceleração da destruição do meio ambiente no Brasil.

O número de incêndios no Brasil aumentou 83% este ano, em comparação com o período homólogo de 2018, com 72.953 focos registados até 19 de agosto, sendo a Amazónia a região mais afetada.

A Amazónia, a maior floresta tropical do mundo e com a maior biodiversidade registada numa área do planeta, tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.