Malta é cada vez mais o bastião antiaborto na União Europeia

Com referendo de sexta-feira, Irlanda junta-se à maioria dos países europeus - 22 - onde ​​​​​​​a interrupção voluntária da gravidez é legal. Na Polónia, abortar só é legal em casos excecionais

A católica Irlanda era muitas vezes apontada como último bastião antiaborto na União Europeia. Mas não é assim. Se os irlandeses votaram esmagadoramente - 66,4% contra 33,6% - a favor da legalização da interrupção voluntária da gravidez no referendo de sexta-feira, Malta continua a ser o único país dos 28 onde abortar é proibido e a mulher que o fizer arrisca a prisão. Na Polónia e em Chipre, a lei é semelhante à que agora vai ser alterada na Irlanda: o aborto só é permitido em caso de risco de vida para a mãe, de malformação fatal para o feto ou em caso de violação.

Mal foi conhecido o resultado do referendo na Irlanda, a Fundação para os Direitos das Mulheres Maltesas reagiu no Facebook, garantindo que a luta continua. "Ouvimos-vos e vamos continuar, com a nossa melhor habilidade, por todas as mulheres, em todo o mundo, até as mulheres serem aceites e reconhecidas como seres humanos de uma vez por todas. Não vamos desistir da luta", escreveram.

Com pouco mais de 400 mil habitantes concentrados numa ilha com 316 km2, 90% da população de Malta é católica. Mas o conservadorismo geralmente aliado à religião só explica em parte as leis restritivas em relação ao aborto. Afinal em julho de 2017, o parlamento maltês aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo - outro dos chamados temas fraturantes nas sociedades. Uma decisão que levou a BBC a questionar-se sobre o que chamou o "paradoxo de Malta", ou seja "o bastião dos direitos dos homossexuais que bane o aborto".

Na Polónia, apesar de a lei permitir o aborto apenas em casos excecionais, esta questão tem sofrido avanços e recuos nos últimos anos. Em 2016, o governo apresentou um projeto de lei para proibir totalmente o aborto. Mas este acabou por ser rejeitado pelo Parlamento. Já este ano, foi feita outra proposta para proibir os abortos feitos devido a uma malformação do feto - esta é a justificação para 96% das interrupções voluntárias da gravidez realizadas. Tal como há dois anos, esta proposta voltou levar milhares de mulheres às ruas em protesto para exigir a liberdade reprodutiva, num país em que mais de 87% dos 38,5 milhões de habitantes são católicos.

Em Chipre, onde população na metade grega é maioritariamente cristã-ortodoxa, a lei era semelhante à polaca mas a 30 de março o parlamento aprovou o aborto até às 12 semanas.

No Reino Unido e Finlândia as leis impõem alguns limites ao aborto. Nesses países, as mulheres que desejem abortar têm de ter uma autorização. As britânicas precisam de consultar dois médicos diferentes para obter o direito a fazer um aborto por razões médicas ou sociais. Na Finlândia, acontece o mesmo. Mas apesar de ser reservado a menores de 17 anos ou maiores de 40 com mais de quatro filhos, a mulheres com dificuldades financeiras, sociais ou problemas de saúde, na prática é fácil obter autorização para interromper uma gravidez.

Com a decisão de sexta-feira, que tem ainda de ser aprovada pelo parlamento, a Irlanda junta-se à maioria dos países da UE - 23 - onde o aborto é legal. Mas as legislações não são todas iguais. Em Portugal, que legalizou a interrupção voluntária da gravidez em 2007, o aborto é permitido até à décima semana de gestação. Na maioria dos restantes países a lei prevê as 12 semanas como limite. Mas na Holanda, por exemplo, vai até às 24 semanas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)