Malta é cada vez mais o bastião antiaborto na União Europeia

Com referendo de sexta-feira, Irlanda junta-se à maioria dos países europeus - 22 - onde ​​​​​​​a interrupção voluntária da gravidez é legal. Na Polónia, abortar só é legal em casos excecionais

A católica Irlanda era muitas vezes apontada como último bastião antiaborto na União Europeia. Mas não é assim. Se os irlandeses votaram esmagadoramente - 66,4% contra 33,6% - a favor da legalização da interrupção voluntária da gravidez no referendo de sexta-feira, Malta continua a ser o único país dos 28 onde abortar é proibido e a mulher que o fizer arrisca a prisão. Na Polónia e em Chipre, a lei é semelhante à que agora vai ser alterada na Irlanda: o aborto só é permitido em caso de risco de vida para a mãe, de malformação fatal para o feto ou em caso de violação.

Mal foi conhecido o resultado do referendo na Irlanda, a Fundação para os Direitos das Mulheres Maltesas reagiu no Facebook, garantindo que a luta continua. "Ouvimos-vos e vamos continuar, com a nossa melhor habilidade, por todas as mulheres, em todo o mundo, até as mulheres serem aceites e reconhecidas como seres humanos de uma vez por todas. Não vamos desistir da luta", escreveram.

Com pouco mais de 400 mil habitantes concentrados numa ilha com 316 km2, 90% da população de Malta é católica. Mas o conservadorismo geralmente aliado à religião só explica em parte as leis restritivas em relação ao aborto. Afinal em julho de 2017, o parlamento maltês aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo - outro dos chamados temas fraturantes nas sociedades. Uma decisão que levou a BBC a questionar-se sobre o que chamou o "paradoxo de Malta", ou seja "o bastião dos direitos dos homossexuais que bane o aborto".

Na Polónia, apesar de a lei permitir o aborto apenas em casos excecionais, esta questão tem sofrido avanços e recuos nos últimos anos. Em 2016, o governo apresentou um projeto de lei para proibir totalmente o aborto. Mas este acabou por ser rejeitado pelo Parlamento. Já este ano, foi feita outra proposta para proibir os abortos feitos devido a uma malformação do feto - esta é a justificação para 96% das interrupções voluntárias da gravidez realizadas. Tal como há dois anos, esta proposta voltou levar milhares de mulheres às ruas em protesto para exigir a liberdade reprodutiva, num país em que mais de 87% dos 38,5 milhões de habitantes são católicos.

Em Chipre, onde população na metade grega é maioritariamente cristã-ortodoxa, a lei era semelhante à polaca mas a 30 de março o parlamento aprovou o aborto até às 12 semanas.

No Reino Unido e Finlândia as leis impõem alguns limites ao aborto. Nesses países, as mulheres que desejem abortar têm de ter uma autorização. As britânicas precisam de consultar dois médicos diferentes para obter o direito a fazer um aborto por razões médicas ou sociais. Na Finlândia, acontece o mesmo. Mas apesar de ser reservado a menores de 17 anos ou maiores de 40 com mais de quatro filhos, a mulheres com dificuldades financeiras, sociais ou problemas de saúde, na prática é fácil obter autorização para interromper uma gravidez.

Com a decisão de sexta-feira, que tem ainda de ser aprovada pelo parlamento, a Irlanda junta-se à maioria dos países da UE - 23 - onde o aborto é legal. Mas as legislações não são todas iguais. Em Portugal, que legalizou a interrupção voluntária da gravidez em 2007, o aborto é permitido até à décima semana de gestação. Na maioria dos restantes países a lei prevê as 12 semanas como limite. Mas na Holanda, por exemplo, vai até às 24 semanas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.