Mais de metade dos brasileiros quer regresso da pena de morte

Jovens entre 25 e 34 anos são os que mais apoiam a medida (64%). Os católicos são mais favoráveis à medida (63%)

O número de brasileiros que apoia o restabelecimento da pena de morte no país cresceu de 47% para 57% em dez anos, segundo uma sondagem divulgada hoje pelo Instituto DataFolha.

O apoio da população brasileira à aplicação da pena de morte é o mais alto desde 1991, quando o Instituto Datafolha incluiu o assunto nas suas pesquisas.

No último levantamento, 57% das pessoas entrevistadas manifestaram-se a favor deste tipo de punição, 39% disseram que eram contra e 3% não responderam.

A pesquisa, com margem de erro de dois pontos percentuais, revelou que o apoio à pena de morte é maior entre a população mais pobre e entre os homens.

Jovens entre 25 e 34 anos são os que mais apoiam a medida (64%), uma percentagem reduzida para 52% entre aqueles que têm mais de 60 anos.

De acordo com a pesquisa, os católicos são mais favoráveis à medida (63%) do que aos evangélicos (50%), enquanto o apoio dos ateus é de 46%.

A legislação brasileira não contempla a pena de morte e a última execução desse tipo no Brasil ocorreu em 1861.

Para esta sondagem, o Datafolha entrevistou 2.765 brasileiros em 192 municípios, entre os 29 e 30 de novembro do ano passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.