Mais de metade dos brasileiros quer regresso da pena de morte

Jovens entre 25 e 34 anos são os que mais apoiam a medida (64%). Os católicos são mais favoráveis à medida (63%)

O número de brasileiros que apoia o restabelecimento da pena de morte no país cresceu de 47% para 57% em dez anos, segundo uma sondagem divulgada hoje pelo Instituto DataFolha.

O apoio da população brasileira à aplicação da pena de morte é o mais alto desde 1991, quando o Instituto Datafolha incluiu o assunto nas suas pesquisas.

No último levantamento, 57% das pessoas entrevistadas manifestaram-se a favor deste tipo de punição, 39% disseram que eram contra e 3% não responderam.

A pesquisa, com margem de erro de dois pontos percentuais, revelou que o apoio à pena de morte é maior entre a população mais pobre e entre os homens.

Jovens entre 25 e 34 anos são os que mais apoiam a medida (64%), uma percentagem reduzida para 52% entre aqueles que têm mais de 60 anos.

De acordo com a pesquisa, os católicos são mais favoráveis à medida (63%) do que aos evangélicos (50%), enquanto o apoio dos ateus é de 46%.

A legislação brasileira não contempla a pena de morte e a última execução desse tipo no Brasil ocorreu em 1861.

Para esta sondagem, o Datafolha entrevistou 2.765 brasileiros em 192 municípios, entre os 29 e 30 de novembro do ano passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".