Macron promete óculos, próteses dentárias e aparelhos auditivos a custo zero

"É uma conquista social essencial", afirmou o presidente francês. Até janeiro de 2021, Macron compromete-se ao estabelecimento gradual do reembolso a 100% de óculos, próteses dentárias e auditivas

O presidente francês, Emmanuel Macron, comprometeu-se a estabelecer gradualmente, até 1 de janeiro de 2021, um reembolso a 100% de óculos, aparelhos auditivos e próteses dentárias. "É uma conquista social essencial", afirmou o chefe de Estado francês, citado pelo Le Monde .

Esta é, aliás, uma medida que constava do programa de saúde de Macron durante a campanha presidencial e que agora o chefe de Estado assume.

Num vídeo publicado nas redes sociais pelo Palácio do Eliseu é possível ver Macron a defender, perante a sua equipa de comunicação, a necessidade de se avançar com esta medida, horas antes de um discurso sobre a reforma nos benefícios sociais.

"Investimos muito dinheiro em benefícios nos subsistemas [de saúde] e as pessoas ainda são pobres. As pessoas que nascem pobres continuam pobres", lamentou Macron.

No vídeo, o presidente de França defendeu os reembolsos totais para planos de saúde que estejam focados na prevenção de doenças. Uma medida que, garante, irá, traduzir-se numa redução de custos no futuro. "É por isso que estamos a fazer as reformas. É sobre as coisas menores, como a assistência básica em odontologia, óculos graduados - isso representa um custo social. E é politicamente desprezível", declarou no vídeo.

Uma "revolução" na proteção social

"Muitos dos nossos concidadãos com patologias simples têm de desistir do tratamento", disse, depois, Emmanuel Macron no no 42º congresso da Mutualité Française. Muitos franceses não têm "a oportunidade de sorrir, ver, ouvir, comer normalmente", lamentou.

No discurso, o chefe de Estado francês falou numa "revolução" na proteção social. "Precisamos intervir mais cedo, mais rápido e mais massivamente. Esta é a melhor maneira de lutar contra as desigualdades", defendeu Macron.

Com Reuters

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.